Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

MPE pensa em acarear Zarattini e autor de denúncia

O Ministério Público Estadual (MPE) estuda uma acareação entre o ex-secretário municipal de Transportes Carlos Zarattini, o presidente do Grupo São Judas e militante petista, William Ali Chaim, do presidente da Viação Cidade Tiradentes, Leonardo Capuano e outros envolvidos com o repasse de R$ 1,044 milhão do Fundo de Multas da São Paulo Transportes (SPTrans) para pagamento de salário das empresas Ibirapuera e Santo Amaro.De acordo com o promotor da Cidadania Sérgio Turra Sobran, a acareação poderia ajudar a esclarecer pontos obscuros da operação. No depoimento prestado nesta quarta-feira à promotoria, Chaim afirmou que além de Zarattini, participaram das reuniões para discutir o repasse às empresas Capuano, o presidente da SPTrans, Maurício Thesin, e o presidente da Transurb (Sérgio Pavani), além de um assessor do ex-secretário identificado como Sérgio.Nesta quarta-feira, Zarattini presta depoimento ao promotor, mas todos os envolvidos serão ouvidos para esclarecer se havia base legal para a transferência dos recursos. Representantes da Ibirapuera e da Santo Amaro, beneficiárias do repasse, também serão convocados. ?Temos que saber se é lícito o poder público socorrer a má gestão do empresariado, senão ficaremos sempre fazendo isso?, disse Sobran.O MPE já solicitou à SPTrans os registros da movimentação financeira do período e pediu ao Tribunal de Contas do Município (TCM) uma auditoria, já em curso no sistema.Segundo o promotor, Chaim apresentou durante o depoimento cópias de extratos da Viação Santa Bárbara que comprovam o depósito, em 13 de agosto, de R$ 265 mil usados para pagar os funcionários. ?De acordo com Chaim, o Grupo São Judas perdeu o interesse em comprar as empresas Ibirapuera e Santo Amaro depois de descobrir a difícil situação financeira em que estavam.?Chaim afirmou que concorda em participar de uma acareação com o ex-secretário. ?A operação não foi irregular e só veio a público porque ele (Zarattini) atacou a minha honra ao dizer que eu teria embolsado o dinheiro dos passes?, disse.O executivo afirmou estar ?tranqüilo? com relação à denúcia contra ele, na comissão de ética do PT, formulada por Zarattini. ?Não ataquei a administração e defendo a prefeita Marta Suplicy, e a questão com o ex-secretário aparentemente se tornou pessoal?, afirmou.Com relação à discussão sobre o aumento da tarifa de ônibus, Chaim defendeu um ponto de equilíbrio entre empresários, governo e população. ?O atual secretário Jilmar Tatto tem todas as condições para promover o entendimento. Ontem (terça-feira), ele conversou com o presidente do Sindicato dos Condutores, Edivaldo Santiago, e hoje não há mais greve?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.