MPE processa filho de Viscome, acusado de ser fantasma da CET

O filho do vereador cassado VicenteViscome, preso condenado a 12 anos de cadeia, está sendoprocessado pelo Ministério Público Estadual (MPE) por ter sidofuncionário fantasma na Companhia de Engenharia de Tráfego(CET).Segundo a promotoria da Cidadania, Luiz Alberto PereiraViscome, o Viscominho, recebeu mensalmente R$ 2.400,00, mas nãoapareceu no trabalho de julho de 1998 a março de 1999.A ação civil pública, movida pelo promotor Silvio AntônioMarques, está na 6ª Vara da Fazenda Pública. Além de Viscominho,são acusados ainda o ex-presidente da CET Nelson Maluf El-Hage eo ex-funcionário Koki Kanda, que era o chefe imediato do filhode Viscome.De acordo com o Ministério Público, Kanda era quem atestava afreqüência do funcionário fantasma. Ele se recusou a prosseguircom a fraude, o que passou a ser feito pelo presidente da CET.Por causa do esquema, Viscominho e Kanda foram denunciadoscriminalmente pelo MPE por falsidade.O promotor quer que o filho do parlamentar seja obrigado adevolver os salários que recebeu sem trabalhar (R$ 21.850,20),além de pagar multa de até 3 vezes o valor do dano e ter osdireitos políticos suspensos por 8 a 10 anos.Os outros acusados também podem ter os direitos políticossuspensos e serem obrigados a devolver o dinheirosolidariamente. A Agência Estado não conseguiu localizar osacusados para que comentassem a ação do MPE.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.