MPE quer demolir 8 prédios de 20 andares no Guarujá

Promotora alega que construções ferem leis federal e estadual ao verticalizar bairro da Praia da Enseada

Zuleide de Barros, GUARUJÁ, O Estadao de S.Paulo

01 de maio de 2009 | 00h00

A promotora de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente, Juliana de Sousa Andrade, está propondo a demolição de oito prédios com mais de 20 andares cada um na Praia da Enseada, no Guarujá. A representante do Ministério Público Estadual (MPE) entrou com ação civil pública contra a prefeitura do Guarujá e oito empreiteiras. Elas já iniciaram a construção dos prédios. Juliana alega que o governo contrariou dispositivos do Estatuto das Cidades, ao liberar os alvarás para as obras.No seu entendimento, ao permitir a construção desses edifícios, a prefeita Maria Antonieta de Brito (PMDB) desrespeitou as legislações estadual e federal, permitindo verticalizar o bairro. "A construção desses empreendimentos deve ser coibida, sob pena de provocar consequências desastrosas ao meio ambiente", justificou a promotora. Juliana afirma que os projetos foram aprovados sem a exigência de estudo socioambiental para avaliar os impactos negativos. A Assessoria de Imprensa da prefeitura informou, em nota, que "os empreendimentos que estão na mira do Ministério Público tiveram seus alvarás de construção expedidos em anos anteriores. Nessa administração, não houve nenhuma nova concessão para construções desse tipo". A prefeitura informou que vai esperar a manifestação da Justiça e "abrir diálogo com o MPE e com as construtoras para garantir o desenvolvimento econômico sustentável".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.