MPE vai recorrer da absolvição de acusados

O Ministério Público Estadual (MPE) vai recorrer da decisão do juiz Júlio Caio Farto Salles, da 31ª Vara Criminal, que absolveu, na segunda-feira, os quatro acusados de formação de quadrilha para extorquir dinheiro do padre Júlio Lancellotti. Para o juiz, não havia provas de que o ex-interno da extinta Fundação para o Bem-Estar do Menor (Febem) Anderson Batista, sua mulher, Conceição Eletério, e os irmãos Everson e Evandro Guimarães cometeram crime contra o padre.Os promotores Fábio José Bueno e Luiz Antonio Nusdeo informaram, por meio de uma nota, que "acreditam existir provas de que os acusados praticaram reiteradamente crimes de extorsão (de dinheiro) contra o padre". O advogado Nelson da Costa, que defende os quatro acusados, afirmou que a decisão do MPE em recorrer já era esperada.Ontem, o casal Batista e Conceição acabou se envolvendo em confusão. Dos 19 moradores da pensão onde vivem, no Belém, na zona leste da capital, 9 prestaram queixa na 5ª Delegacia Seccional, acusando o casal de cobrar deles o pagamento atrasado do aluguel. Segundo os depoimentos, as cobranças foram feitas com agressividade - Conceição teria chutado a porta dos quartos.Antes de ser preso, Batista já havia administrado a pensão. O delegado André Luiz Pimentel disse ontem que os policiais levantaram o nome do proprietário da pensão e descobriram que ela não pertence a Batista. "A cobrança do aluguel é, portanto, uma exigência indevida, e, por isso, os dois são acusados de crime de extorsão", disse.O delegado afirmou que vai reiterar o pedido de prisão do casal. Pimentel pretende tomar o depoimento de Batista e Conceição a respeito do caso. Na manhã de ontem, policiais da 5ª Seccional foram à pensão, atrás do casal, mas eles não estavam no local. O Estado não conseguiu entrevistar, ontem, Conceição e Batista. Nelson da Costa disse que não acredita que o problema ocorrido ontem na pensão venha a ter desdobramentos importantes. Mas afirmou que pretende se inteirar dos fatos para decidir por eventuais medidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.