MPF arquiva investigação de videoclipe do cantor Alexandre Pires

Procurador entendeu que a figura de gorilas no vídeo não está relacionada a discriminação racial

estadão.com.br,

23 Maio 2012 | 16h25

SÃO PAULO - O Ministério Público Federal (MPF) em Uberlândia, Minas Gerais, arquivou a apuração da suposta ocorrência de discriminação racial e sexista no videoclipe da música "Kong", do cantor Alexandre Pires. No despacho de arquivamento, o MPF sustenta que "não se pode concluir, ao menos objetivamente, pela ocorrência de racismo, por absoluta ausência do elemento subjetivo caracterizador dessa conduta lesiva".

O procedimento foi instaurado a partir de representação encaminhada ao MPF pela Ouvidoria Nacional da Igualdade Racial, órgão da Presidência da República.

O procurador Frederico Pellucci, que investigou o caso, não acredita que houve preconceito em relação à população negra em razão da utilização da figura do gorila no vídeo.

Ao analisar a letra da música e as cenas do videoclipe, Frederico Pellucci entendeu que "não se pode dizer que a letra da música ou seu videoclipe tiveram a intenção de atacar quem quer que seja, mas sim apresentar-se de maneira descontraída e bem-humorada, descabendo adentrar na discussão quanto ao bom ou mau gosto na escolha das respectivas expressões e cenas".

Mais conteúdo sobre:
racismoAlexandre PiresMPF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.