MPF investiga precário funcionamento de hospitais goianos

Unidades de saúde enfrentam problemas como falta de insumos, medicamentos e equipamentos

estadão.com.br,

19 de dezembro de 2011 | 14h44

SÃO PAULO - O Ministério Público Federal em Goiás (MPF-GO) instaurou inquérito civil público para apurar o precário funcionamento em oito unidades de saúde. De acordo com o órgão, unidades de saúde subordinadas à Secretaria de Estado da Saúde enfrentam problemas como falta de insumos, medicamentos e equipamentos de proteção individual (EPI); escassez de recursos humanos, equipamentos obsoletos e insuficiência de unidades de terapia intensiva (UTI).

O MPF enviou ofício para o Serviço de Auditoria do Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde em Goiás (DENASUS/SEAUD-GO), requisitando, no prazo de 180 dias, auditorias para apurar a adequação, a qualidade e a efetividade dos serviços de saúde ofertados aos usuários do SUS.

Serão alvo de auditorias as seguintes unidades de saúde: Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Goiás (HC/UFG), Hospital Geral de Goiânia (HGG), Hospital de Doenças Tropicais (HDT), Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO), Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (HUAPA), Hospital de Urgências de Anápolis (HUHS), Hospital de Urgências da Região Sudoeste (HURSO) e Hospital Materno Infantil (HMI).

Mais conteúdo sobre:
hospitalGoiásMPF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.