MPF não quer rastreadores

O Ministério Público Federal ameaça o Departamento Nacional de Trânsito e o Conselho Nacional de Trânsito com uma ação civil pública caso os órgãos não anulem uma resolução e duas portarias que preveem rastreador antifurto e dispositivo de bloqueio em todos os carros zero km, a partir de agosto. Segundo o MPF, as normas constituem abuso de poder e podem fazer com que os proprietários fiquem monitorados 24 horas por dia, constituindo invasão de privacidade. Desde a primeira resolução, de 2007, as montadoras pressionam os órgãos para acabar ou, pelo menos, adiar a obrigatoriedade. O rastreador pode encarecer o carro em até R$ 800.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.