MPF vai pedir prorrogação da prisão de líderes do sindicato

O Ministério Público Federal (MPF) vai pedir nesta sexta-feira ao juiz Toru Yamamoto, da 3ª Vara Criminal Federal, a prorrogação da prisão temporária dos líderes do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus por mais cinco dias. O prazo da prisão de parte dos sindicalistas, entre eles do presidente da entidade, Edivaldo Santiago, vence nesta sexta.Ainda nesta sexta, o juiz vai decidir sobre o pedido de quebra do sigilo bancário feito nesta quinta pelos procuradores da República Sérgio Suyama e Luiz Fernando Gaspar Costa contra 14 dos suspeitos que tiveram a prisão decretada. Yamamoto já havia concedido ao MPF, no dia 13, acesso aos extratos bancários de Edivaldo e dos diretores Edivaldo Gomes de Oliveira, o Dentinho, e Francisco Xavier da Silva Filho, o Chiquinho.Se a prisão for prorrogada pelo juiz, restará depois ao MPF pedir a prisão preventiva (por tempo indeterminado) dos suspeitos. O que deverá acontecer, mas não em relação a todos os sindicalistas que estão sob custódia da Polícia Federal. Parte deles deverá ser libertada para responder o processo em liberdade. Se houver a decretação de prisão preventiva, o MPF terá 30 dias para oferecer a denúncia (acusação formal).Hoje, promotores do Ministério Público Estadual (MPE) começaram a tomar depoimentos em Guarulhos sobre o assassinato do presidente do sindicato da cidade, Maurício Alves Cordeiro. A suspeita é de que a morte tenha sido ordenada por integrantes do sindicato da categoria de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.