Simone Scheuer/Facebook
Simone Scheuer/Facebook

MSC diz colaborar com investigações sobre brasileira sumida em cruzeiro

Navio passava pelo Mar Adriático quando Simone Scheuer desapareceu; Itália investiga possibilidade de homicídio

O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2017 | 15h06

Após a notícia de que a Procuradoria de Brindisi, na Itália, abriu uma investigação por "homicídio doloso" no caso do desaparecimento da brasileira Simone Scheuer Sousa, de 35 anos, a MSC Cruzeiros se pronunciou e disse que está cooperando "intensamente com as autoridades".   

Por meio de um comunicado por email, a empresa diz que não pode comentar um inquérito em andamento e que não é alvo das investigações. "Embora não possamos comentar uma investigação em curso, salientamos que a investigação citada pela mídia italiana é contra pessoas desconhecidas e a companhia não faz parte dela", afirma a nota.   

O inquérito da Procuradoria de Brindisi foi aberto contra "pessoas não identificadas", ou seja, ainda não tem nenhum suspeito. O desaparecimento de Simone foi constatado na madrugada de 20 de junho, quando o navio em que trabalhava, o MSC Musica, navegava entre Veneza e Brindisi.   

Simone trabalhava na limpeza da embarcação da MSC Música. Segundo a família, que é de São Paulo, o sumiço ocorreu após a mulher terminar um namoro com um dos tripulantes que também trabalhava na embarcação por causa de uma traição. 

De acordo com Clara Scheuer Souza, de 67 anos, mãe de Simone, em entrevista ao Estado na semana passada, a jovem também havia se desentendido com um supervisor no navio havia poucos dias.

"É muita angústia. A gente quer saber o que aconteceu. Esse sumiço tem que ter alguma lógica. Uma pessoa não evapora assim", diz a mãe, que soube do desaparecimento por meio de colegas de Simone, que notaram o sumiço.  

Confira abaixo a nota da MSC na íntegra:

"Embora não possamos comentar uma investigação em curso, salientamos que a investigação citada pela mídia italiana é contra pessoas desconhecidas e a companhia não faz parte dela.   Ademais, desde o primeiro dia, a empresa tem cooperado intensamente com as autoridades competentes e continuará a fazê-lo até o dia em que nossa colega Simone for encontrada".   /COM INFORMAÇÕES DA ANSA

Mais conteúdo sobre:
Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.