MST desocupa área da Cutrale no interior de SP

Cerca de 400 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) desocuparam ontem a Fazenda Santo Henrique, da empresa Cutrale, em Borebi, centro-oeste do Estado de São Paulo, dois dias depois da ordem de despejo dada pela Justiça. A área de 2,6 mil hectares havia sido invadida na última segunda-feira.

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2011 | 00h00

Após a desocupação, os sem-terra seguiram em comboio para Bauru e realizavam um ato público, no final da tarde de ontem, na Praça D. Pedro II, região central da cidade. Eles denunciaram a grilagem de terras na região e pediram assentamentos para as famílias acampadas. Uma parte do grupo participou de uma audiência pública na Câmara dos Vereadores. O comando da Polícia Militar informou que a mobilização foi pacífica, apesar de ter tumultuado o trânsito.

De acordo com Judite Santos, da coordenação estadual do MST, a luta para a retomada das terras públicas vai continuar, mas as próximas ações ainda não foram definidas. A invasão da Cutrale fez parte da jornada nacional de lutas do movimento. Durante os cinco dias, os trabalhadores da empresa foram impedidos de fazer a colheita de laranja e muitos frutos se perderam no pé. A Cutrale informou que fará um levantamento de eventuais prejuízos.

Em 2009, a fazenda já havia sido tomada pelos sem-terra. Na ocasião, integrantes do MST destruíram 12 mil pés de laranja e depredaram as instalações. O prejuízo foi de R$ 1,2 milhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.