MST invade fazenda pela segunda vez

Um grupo de 180 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) invadiu,na manhã desta sexta-feira, a fazenda Santana do Rio Abaixo, em Jacareí, a 80 quilômetros de São Paulo.A mesma fazenda havia sido invadida noano passado, quando 525 trabalhadores rurais fizeram a ocupação.Na época, a Justiça determinou a reintegração de possedepois de 24 dias.Membros do grupo que está no local fizeram parte da invasão anterior e estavam na fazenda Santa Rita, em São José dos Campos,também ocupada.Segundo um dos coordenadores dos sem-terra na região, Sebastião Aranha, o movimento está recebendo doações de igrejas esindicatos.Há crianças no local, e os integrantes do MST não pretendem deixar a área.De acordo com um dos invasores, que não quis se identificar, diversas barracas já foram levantadas.Na entrada, uma bandeira doBrasil estava ao lado de uma bandeira do movimento. Apesar da presença da polícia, a situação estava tranqüila.Aranha disse que a invasão aconteceu porque a fazenda é improdutiva.Segundo o advogado e representante dos proprietários do local, Jairo dos Santos Rocha, a fazenda tem plantações de milho earroz, gado de corte e pontos de extração de areia."Eles alegaram a mesma coisa ano passado e nós conseguimos areintegração de posse. A fazenda é 100% produtiva", disse Rocha, que em razão do feriado não decidiu se entrará com o pedidode reintegração de posse no sábado, ou na segunda-feira.O advogado registrou boletim de ocorrência sobre a invasão. A Santanado Rio Abaixo é de propriedade da empresa Fazenda Cristal Agropecuária S.A.Por volta das 15 horas, os integrantes do movimento fizeram uma fila e seguiram em marcha até a entrada dafazenda, onde realizaram uma assembléia. O objetivo era conseguir a liberação de uma Kombi apreendida pela PM e que asviaturas da polícia deixassem a entrada da fazenda.A Polícia Militar informou que a apreensão se deu porque o veículo estava emsituação irregular e apresentava mau estado de conservação. A PM permaneceu no local. Nenhum incidente mais grave foiregistrado até agora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.