MST pode deixar fazenda Renascença

O Movimento Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), deu sinais, nesta terça-feira à noite, de que poderia deixar o interior da fazenda Renascença, de propriedade do embaixador do Brasil na Itália, Paulo de Tarso Flecha de Lima, na cidade mineira de Uruana, nas próximas horas. O MST quer que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) aceite marcar uma nova audiência com os líderes e atenda à pauta de 15 reivindicações. Depois que os sem-terra entraram na fazenda, cortaram bambus para fazer lanças e capturaram cobras para usar contra os policiais, a PM bloqueou o acesso à propriedade, impedindo inclusive a entrada de alimentos para forçar o movimento a recuar e deixar a área. Muitos integrantes do MST que saíram da área para ir à cidade, foram proibidos de entrar novamente, como uma mulher que havia deixado uma criança no acampamento improvisado na fazenda e não pôde buscá-la.Ninguém, nem mesmo jornalistas, pode se aproximar da propriedade. Segundo o coordenador do MST na região do Entorno de Brasília, Valmir de Oliveira, o movimento vai tentar conversar com o governador de Minas Gerais, Itamar Franco, para negociar um acordo.Ele admitiu até mesmo deixar a fazenda se o Incra aceitar marcar uma nova reunião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.