Muçulmanos e judeus debatem tolerância em SP

Representantes da comunidade muçulmana e da comunidade judaica de São Paulo tiveram na noite desta terça-feira o primeiro encontro formal desde o começo da segunda intifada no Oriente Médio, iniciada em 28 de setembro de 2000. Cerca de 600 pessoas, a maioria delas judias, participaram da reunião, pontuada por declarações sobre a crise entre palestinos e israelenses no Oriente Médio e que acabou promovendo momentos de claro desconforto para ambas as partes, que, no entanto, saíram satisfeitas do encontro.Idealizado pelo rabino Henry Sobel, ao encontro foi também o arcebispo de São Paulo, dom Cláudio Hummes. O tema do encontro foi "Tolerância Religiosa: Um ´Triálogo pela Paz´". Ao lado de Sobel e Hummes estava o xeque Muhammad Ragip, líder da comunidade dos muçulmanos brasileiros ligados ao sufismo.Na abertura do evento, realizado num salão do Hotel Crowne Plaza, na região da Avenida Paulista, Ragip foi interrompido pelo menos duas vezes por pessoas da platéia que reagiam ao seu discurso crítico ao sionismo e às políticas do Estado de Israel. "Isso é uma reunião sobre tolerância", gritou do fundo da sala um dos espectadores.Em outro momento, perguntaram a Ragip por que um xeque brasileiro se recusara recentemente a estender a mão a um representante judeu nos bastidores de um programa de TV, algo que teria sido visto como marca de intolerância por parte do interlocutor muçulmano. Apesar de momentos como esses, o encontro transcorreu com tranqüilidade.Sobel defendeu a criação de um Estado palestino seguro, que reconheça o direito à segurança dos israelenses. "Acho que Israel se relacionaria muito melhor com um Estado palestino do que com palestinos revoltados, indisciplinados e sem ninguém para assumir atos de violência", disse o rabino, arrancando aplausos da platéia.Ragip disse que o conflito entre palestinos e israelenses não tem fundo religioso ou étnico, mas é fruto da política de Israel com relação à ocupação dos territórios da antiga Palestina.Grandes Acontecimentos InternacionaisESPECIAL ORIENTE MÉDIO

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.