Mudança em expresso motiva críticas

A decisão da Prefeitura de desistir de manter como corredor de ônibus a sequência do Expresso Tiradentes e mudá-lo para metrô de superfície foi alvo de críticas ontem por parte da delegação do Institute of Transportation and Development Policy. Segundo o presidente do órgão, o ex-prefeito de Bogotá Enrique Pealosa, muitas cidades analisavam de perto os resultados de um projeto de corredor elevado. "A proposta do Expresso Tiradentes era interessante e não somente para São Paulo. Muitas cidades esperavam o resultado dessa experiência. Uma pena que mudaram para trem", afirmou Pealosa, que também afirma que o modelo com ônibus seria mais ágil e vantajoso financeiramente. O secretário municipal Alexandre de Moraes disse que o custo do projeto (R$ 2,3 bilhões) será praticamente o mesmo e a mudança ainda contou com uma parceria com o metrô. "Mas o custo de operação por passageiro seria um terço do que será com os trens", rebateu Pealosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.