Mudança faz procura por 1ª CNH crescer 48%

Aulas a mais vão encarecer processo em até R$ 120

Naiana Oscar, O Estadao de S.Paulo

25 Outubro 2008 | 00h00

A mudança nas regras para tirar a carteira nacional de habilitação, a partir de 1º de janeiro, fez crescer o número de candidatos a motoristas na capital paulista. De acordo com dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), entre agosto e setembro houve aumento de 18,4% na abertura de novos processos de concessão de CNH - de 15,1 mil para 17,9 mil. Comparando o mês passado com setembro de 2007, o crescimento foi de 48,8%. Parte do incremento é justificado pelo fim de ano e pela chegada das férias, que sempre levam novos clientes às auto-escolas. Mas a maioria é de futuros motoristas que estão tentando fugir das 15 horas a mais de aulas teóricas e 5 horas a mais de curso prático, além do preço - que deve subir com a ampliação da carga horária. "Os interessados estão se apressando, não querem perder mais tempo, não querem gastar mais. Já estamos sentindo que a demanda aumentou", diz o presidente do Sindicato das Auto-Escolas do Estado de São Paulo, José Guedes. Segundo ele, o setor estima que as mudanças encareçam o curso de formação de condutores em até 30% - com acréscimo entre R$ 100 e R$ 120. Hoje, o custo varia de R$ 550 a R$ 600, incluindo todos os exames médicos e psicotécnicos que precisam ser aplicados. Para não ter de pagar mais, o estudante de Administração Marcelo Fernandes de Oliveira, de 18 anos, preferiu fazer o curso agora. Embora ansioso para tirar a carteira, ele só iria iniciar o processo em 2009, porque estava desempregado. Depois que soube por um amigo da alterações feitas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), resolveu mudar os planos e parcelou no cartão de crédito os gastos com a auto-escola. "Se hoje já não tenho tempo e foi difícil conseguir o dinheiro, no ano que vem ficará bem mais complicado", disse ontem, enquanto esperava na fila para fazer o pré-cadastro no Detran. Nas auto-escolas, a expectativa é de que até dezembro aumente a procura de candidatos que tentam fugir da nova legislação. "Vai ser uma correria, porque as pessoas deixam tudo para cima da hora", disse Marcelo Moreira de Carvalho, dono de uma auto-escola no centro de São Paulo. Com mais gente tentando conseguir a carteira de motorista, os candidatos devem ter ainda mais paciência no processo. Desde o dia 25 de agosto, é preciso agendar uma data para se cadastrar no Detran e só depois marcar os exames médico e psicotécnico. O agendamento do pré-cadastro é feito com sete dias de antecedência, mas quando a procura aumenta chega a levar dez dias. Cerca de 1,4 mil pessoas são atendidas por dia. LEI SECA As novas regras definidas por meio da resolução 285 do Contran valerão apenas para quem for solicitar a primeira CNH. O curso teórico passa de 30 horas para 45 horas e as aulas práticas de 15 para 20 horas. A nova grade curricular dará uma atenção especial aos motociclistas - que são as principais vítimas do trânsito nas grandes cidades. Os motoristas terão aulas sobre os efeitos da ingestão de bebidas alcoólicas no organismo, antes de dirigir, como uma forma de reforçar os limites impostos pela chamada lei seca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.