Mudanças no serviço de valet dividem opiniões

Alguns acreditam que número de vagas aumentará, mas há quem tema danos ao veículo

Marcela Spinosa e Naiana Oscar, O Estadao de S.Paulo

15 de abril de 2009 | 00h00

As mudanças nas regras para estacionamentos de valet em São Paulo dividiram opiniões de motoristas e funcionários das empresas ontem. Alguns são a favor, pois acham que o número de vagas aumentará. Outros temem terem os veículos danificados. Desde sexta-feira, valets podem usar espaços, como prédios comerciais, terrenos e postos de gasolina, como estacionamento. Anteriormente era necessário haver licença ou alvará de funcionamento como estacionamento.A nutricionista Angélica Vaz, de 27 anos, não aprovou a medida. "(O prefeito Gilberto) Kassab deveria criar mais vagas de estacionamento nas ruas", disse ela, que depois te ter seu carro riscado num valet só para o veículo num estacionamento fechado. Já o encarregado de um serviço de manobristas na Rua Amaury, na zona oeste, Paulo César de Jesus, de 30 anos, é a favor da mudança, mas contra a permissão de estacionamento em postos de gasolina. "O patrão terá de gastar com segurança e isso pode aumentar o preço do estacionamento para o cliente", disse. Na Vila Madalena, zona oeste, o manobrista Paulo Henrique Oliveira, de 20 anos, acredita que a mudança beneficiará as pequenas empresas. "Tem valet que o dono não tem como alugar um terreno e isso vai ajudá-lo", disse.A medida já havia dividido profissionais procurados no início da semana. Para a urbanista Silvana Zioni, especialista em planejamento do espaço urbano, a Prefeitura deveria exigir dos estabelecimentos comerciais mais vagas de estacionamento. "O Município privilegiou o intermediário. Mas por que não tornou obrigatório que bares e restaurantes ofereçam eles mesmos as vagas?", questiona. Já Jaime Waisman, professor de Engenharia de Transportes da Universidade de São Paulo, elogiou a medida e disse que a ampliação das vagas de estacionamento é uma "tendência irreversível" na cidade. PARA ENTENDER Como era: Apenas estacionamentos com o alvará ou auto de licença para esse tipo de atividade podiam ser usados Como ficou: Abriram-se opções. Em prédio comercial ou posto de serviço, é preciso garantia dada por engenheiro de que o local é seguro e comprovação de que há área para guardar veículos. Em terreno livre, é necessária "peça gráfica" que retrate fielmente o local, além da garantia dada pelo técnico. Os locais devem respeitar a Lei de Zoneamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.