Mulher acusa policial de estupro em ação em morro

Uma jovem de 21 anos acusou um policial do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar do Rio de tê-la estuprado durante incursão no Morro da Mangueira, zona norte, na manhã de ontem. Ela prestou depoimento na 17ª Delegacia de Polícia e disse que, apesar de não ter visto nome na farda do acusado, pode identificá-lo. Moradores da Mangueira fizeram manifestações contra a suposta violência sofrida pela jovem e queimaram pneus e um sofá.

Talita Figueiredo, RIO, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2009 | 00h00

"Eu a encaminhei para fazer exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal. Solicitei à Polícia Militar fotos de todos que participaram da ação para que ela possa tentar identificar o suspeito. Ela disse apenas que era um homem fardado de preto, por isso a suspeita de que seja alguém do Bope", afirmou o titular da 17ª DP, Túlio Pellozi.

Segundo o depoimento, a jovem sofreu violência sexual durante revista em sua casa. O PM a teria mantido sob a mira de uma arma. A jovem procurou a delegacia com pelo menos 50 pessoas da comunidade. Com cartazes escrito "Taradão do Bope", os moradores fizeram protesto em frente à delegacia. Em seguida, voltaram para a Mangueira e fizeram nova manifestação.

A PM informou que a operação contou com aproximadamente 90 homens de cinco batalhões, entre eles o Bope. A corporação disse ainda que "irá colaborar de todas as formas com a delegacia para que os fatos sejam esclarecidos".

A operação de ontem foi, pela primeira vez, liderada por uma mulher: a comandante do 4º Batalhão da PM, tenente-coronel Solange Helena do Nascimento Vieira, de 49 anos. O objetivo era cumprir 15 mandados de prisão e verificar denúncias anônimas. Houve troca de tiros. Foram apreendidas armas e drogas.

COLABOROU PEDRO DANTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.