Mulher acusada de encomendar a morte do marido

A Polícia Civil de Paraíso, no interior de São Paulo, prendeu nesta terça-feira, 20, Jéferson Rogério Giardiuska, 25 anos, acusado de tentar matar o empresário José Justino Júnior, de 35 anos. A morte teria sido tramada pela mulher do empresário, Rita de Cássia Justino, 36, e pelo amante, George Penariol, 36 anos, que era gerente da fábrica de refrigeradores de Justino, a Repasa. Os dois também foram presos. No dia 9 de fevereiro, Justino foi perseguido nas ruas de Paraíso quando saía para comprar bebidas para uma reunião de família. Ele foi atingido por dois de quatro tiros, supostamente disparados por Giardiuska. Um acertou o pescoço, de raspão, e outro, o fêmur. O atirador conseguiu fugir. Investigações levaram o delegado de Paraíso, Gustavo Steffen Figueiredo, a concluir que Rita e o amante pagaram R$ 4 mil para encomendar o crime e tentar ficar com o patrimônio de Justino, que inclui a fábrica e outros negócios, além de um seguro de vida no valor de R$ 600 mil. Ligações telefônicas, que teriam sido feitas por Rita minutos antes do crime, indicando ao matador a saída do marido, denunciaram o plano. Presos, Rita e Penariol confessaram o atentado. Um intermediário, Carlos Ferreira, foi quem, de acordo com as investigações, contratou Giardiuskas para matar o empresário. Dos R$ 4 mil, Carlos ficou com R$ 3 mil e deu apenas R$ 1 mil ao pistoleiro. O intermediário também acabou preso. A história, segundo o delegado Figueiredo, pegou a cidade de Paraíso de surpresa. "Todos são muito conhecidos aqui. Essa mulher tem dois filhos com o marido. O amante tinha acabado de ganhar um carro (Fiat Strada) de presente do patrão", contou o delegado.

Agencia Estado,

20 Fevereiro 2007 | 17h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.