Mulher admite ter forjado o próprio seqüestro

A Secretaria da Segurança informou ontem que foi uma farsa o seqüestro de Maria Genir dos Santos, de 42 anos. Desaparecida na quinta-feira em Ribeirão Preto, ela foi localizada pela polícia fluminense anteontem, num hotel no Rio. Segundo a secretaria, Maria acabou admitindo que participou da simulação do próprio seqüestro.O delegado Carlos Alberto Gomes da Rocha Silva, da Delegacia de Investigações Gerais de Ribeirão, disse que uma pessoa (cujo nome ele preservou) registrou o seqüestro de Maria no dia 10. Ela disse à polícia que os criminosos exigiam R$ 20 mil para libertar a vítima.O delegado, Maria e uma equipe de policiais seguiram ontem à tarde para Belo Horizonte, porque a mulher disse que passou pela cidade antes de ser levada ao Hotel São Bento, no Rio. Mas o porteiro do hotel, João Batista Gomes da Silva, negou a versão. "Ela chegou sozinha às 10 horas de ontem (sábado), só com a bolsa e uma sacola de supermercado." Maria negou-se a preencher ficha dizendo que ficaria só um dia hospedada e pagou os R$ 40 da diária. "Pouco depois ela desceu, foi até um restaurante aqui em frente e comprou um sanduíche. À noite, a polícia chegou." CLARISSA THOMÉ E BRUNO PAES MANSO

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.