Mulher, de 64 anos, mata o marido, de 81, e se suicida

Terminou nesta terça-feira, de forma trágica, a crise no casamento de Mordco Azril Prist, de 81 anos, e Neusa Schiochet Prist, de 64. Às 10h20, na cobertura dúplex onde moravam, no Jardim Paulista, zona sul de São Paulo. Neusa teria matado o marido com três tiros de revólver calibre 38 e se suicidado com um tiro na cabeça.Segundo registro da ocorrência no 78º DP, Neusa disparou seis tiros. Três atingiram Prist, dois no tórax e um na cabeça. Um disparo acertou um quadro na parede; outro, o teto, além do tiro que matou Neusa. A polícia informou que Neusa, ao ser encontrada, ainda estava com o revólver na mão.Por enquanto, para a polícia, o caso é um homicídio seguido de suicídio. O crime ocorreu na sala, na parte superior do dúplex. Estavam no apartamento uma faxineira, uma cozinheira e um marceiro. Eles ouviram os disparos e correram para ver o que estava acontecendo. Encontraram os dois baleados e chamaram o Corpo de Bombeiros e um médico do hospital Albert Einstein, que chegaram quando Neusa ainda respirava. Tentaram reanimá-la, mas ela morreu no local.Segundo o delegado Marco Antonio de Paula Santos, titular da 1ª Delegacia Seccional, o revólver estava registrado em nome do filho mais jovem do casal, Leon Alexander Prist, de 31 anos. Ele não estava em casa na hora do crime. Havia saído para trabalhar. O corpo de Prist estava caído de bruços num canto da sala, junto a uma escrivaninha.Empresário, ele era romeno, naturalizado brasileiro e dono da empresa Digimarcas. Em outro canto da sala, estava Neusa, dona de casa. Os três funcionários que estavam no apartamento fizeram exames residuográficos, que indicam se a pessoa fez uso de arma de fogo recentemente.

Agencia Estado,

27 de agosto de 2002 | 20h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.