Mulher de 67 anos morre após golpe de seqüestro no ABC

Cada vez mais comum, o golpe do falso seqüestro por telefone terminou de forma trágica, na segunda-feira, 12, à noite, em São Caetano. A aposentada Mércia Mendes de Barros, de 67 anos, morreu de enfarte após receber uma ligação na qual o bandido dizia ter seqüestrado seu filho. O boletim de ocorrência ainda não foi registrado porque os parentes de Mércia temem represálias. O drama da família começou com uma ligação telefônica recebida em casa. ?Ela atendeu e logo ouviu um rapaz gritando, chorando: ?Mãe, vem me salvar??, contou o viúvo, José Pereira de Barros, de 65. Barros pegou o telefone e durante dez minutos conversou com o criminoso, que exigiu R$ 60 mil e recargas de cartões de telefones celulares. A aposentada saiu correndo de casa e pediu a ajuda de vizinhos. Uma amiga passou a negociar com o criminoso enquanto Barros se preparava para sair e sacar dinheiro. Mércia começou a passar mal. Ela sentia falta de ar e tontura. ?Era cardíaca e havia acabado de sair do hospital. Saí de casa para pegar dinheiro no caixa eletrônico e a deixei fazendo inalação.? Enquanto isso, outro vizinho tentava localizar o filho do casal. Não deu tempo. Mércia teve parada cardíaca sem saber que estava sendo vítima de um golpe. Logo depois, o vizinho conseguiu falar com o rapaz pelo celular. Quando Barros voltou para casa com R$ 800, ficou sabendo que a mulher havia morrido e o filho nunca tinha sido seqüestrado. ?Eu já tinha ouvido falar nessa farsa, mas, na hora que você recebe a ligação, o desespero toma conta. Ainda mais porque eu acho que o mesmo homem fazia três vozes diferentes. Parecia o bandido, fingia ser meu filho chorando e um criminoso muito nervoso?, disse Barros, casado com Mércia havia 38 anos e pai de três filhos. ?Somos atacados e assassinados dentro de casa. Pelo telefone.?

Agencia Estado,

15 Fevereiro 2007 | 10h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.