Mulher de cônsul de Honduras é acusada de espancar morador de rua em BH

Consulesa também teria ameaçado atear fogo no homem, que dorme ao lado de seu prédio

Marcelo Portela, O Estado de S. Paulo

11 de dezembro de 2011 | 13h54

BELO HORIZONTE - A mulher do cônsul honorário de Honduras em Belo Horizonte, Marília Rodrigues de Pineda, foi acusada de espancar um morador de rua que há alguns dias dorme ao lado do prédio onde ela mora em Belo Horizonte com o marido, Héctor Nery Pineda Mendoza. Segundo a Polícia Militar, a consulesa também teria ameaçado atear fogo na vítima.

Ainda de acordo com a PM, a agressão ocorreu no início da noite de sábado (10), no bairro Funcionários, área nobre da região centro-sul da capital mineira. O morador de rua José Rubens da Silva estaria dormindo há pouco mais de uma semana no local, próximo ao edifício onde vive a família diplomática.

 

Pela ocorrência, encaminhada à Polícia Federal, a consulesa teria xingado e agredido Silva com a coronha de uma arma. Ela ainda teria ameaçado a vítima para que ela deixasse o local. Segundo a PM, Silva sofreu ferimentos leves. O Estado tentou ligar neste domingo para o Consulado Honorário de Honduras, que funciona a poucos quarteirões do local da ocorrência, mas ninguém atendeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.