Mulher denuncia o irmão e inocenta dois presos

O depoimento, no plenário do 2º Tribunal do Júri, da comerciante Antonia Ribeiro da Silva - que apontou o próprio irmão com o verdadeiro autor do crime -, permitiu a libertação de dois acusados de homicídio. A juíza Claudia Marina Spagnolo Binns, expediu alvará de soltura em favor de José Mina Neto, 23 anos, o ?Alemão?, e Ricardo Pereira Oliveira, de 22 anos. Ambos aguardavam julgamento há dois anos nas celas superlotadas no 7º e 67º distritos policiais, acusados de participarem da execução, na noite de 9 de abril de 2000, do comerciante Mohamad Rageh Kadre. Segundo a testemunha Antonia, que era sócia e companheira do comerciante assassinado, o autor do crime é seu próprio irmão, José Roberto Ribeiro, o Nenê, que está foragido.A testemunha foi apresentada em plenário pelo advogado de defesa Flávio Markman. Antonia que diz estar ameaçada de morte pelo próprio irmão e pelo irmão da vítima, está sob custódia do serviço de proteção à testemunha.Com base nesse depoimento Markman pediu aos jurados a absolvição dos dois réus, assinalando que há dois anos sofrem as conseqüências de um erro judiciário, recolhidos em xadrezes superlotados.O promotor Cesar Dario Mariano da Silva, por sua vez, protestou, afirmando que o depoimento surprendera a acusação, pois Antonia não havia sido intimada. Ocorreu então o inesperado: uma jurada pediu maiores esclarecimentos sobre o que ocorria. Em vista disso, a juíza Claudia Marina foi obrigada a dissolver o conselho de sentença e suspender o julgamento, pela quebra da incomunicabilidade dos jurados. Novo julgamento foi marcado para 18 de junho. A juíza, porém, acolheu pedido da defesa para que os réus aguardem o novo julgamento em liberdade, expedindo em favor deles, alvarás de soltura.Em plenário, a testemunha Antonia confirmou o depoimento expontâneo prestado no dia 10 de abril do ano passado na Corregedoria da Polícia Judiciária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.