Mulher é executada com tiros na cabeça em SP

Crime passional ou ato de vingança são duas da hipóteses aventadas pela polícia para o assassinato de Arlinda Franciléia Barbosa da Silva, de 24 anos, que, por volta de 20h00 de segunda-feira, foi executada com quatro tiros na cabeça, no início da Rua Euráchio Maurício, no Parque São Miguel, em Guarulhos, próximo à divisa com a zona Leste da capital.Esta não foi a primeira vez que a jovem foi baleada. Segundo uma irmã, que prestou depoimento no 4º DP de Guarulhos, no Bairro dos Pimentas, Arlinda já tomou um tiro no braço, mas seria uma bala perdida, durante um tiroteio entra marginais da região. Para a polícia, porém, esse fato pode ter sido uma primeira tentativa de assassinato, consumada na noite de segunda-feira.Ela morava com os pais, na Rua Maria Antonieta Campos Arruda, 30, no Jardim Angélica I, em Guarulhos, e trabalhava na bomboniere de um lava-rápido, próximo do local do crime. Não tinha antecedentes criminais, mas seu ex-namorado cumpre pena no Presídio Adriano Marrey, naquele mesmo município da Grande São Paulo, e um irmão dela saiu recentemente da cadeia. Ontem, pouco antes de deixar o trabalho, Arlinda recebeu telefonema de uma amiga convidando-a para ir à sua casa e respondeu que antes teria de resolver alguns problemas. Como tinha um novo namorado, uma das suspeitas é de que o antigo tenha sabido disso e, por ciúmes, ordenado sua execução. Ela também pode ser sido morta por desafetos do irmão, que esteve preso, ou do ex-namorado, ou dela própria. Só as investigações do Departamento de Homicídios de Guarulhos poderão esclarecer o ocorrido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.