Mulher e filho encomendam morte de mecânico em SP

A polícia de Matão, na região de Ribeirão Preto, considera encerrado o caso da morte do mecânico Uílson dos Santos, de 43 anos, que foi morto a facadas em sua própria residência, no dia 26 de setembro. Após investigações, a polícia concluiu que Santos teve a morte encomendada pela própria mulher, a dona de casa Maria de Fátima Tadei, de 34 anos, e um dos filhos dela, Willian Rodrigo Tadei dos Santos, de 18. Para a polícia, os motivos do crime foram: a pensão da vítima e o seguro de vida, cujo valor não divulgado à polícia pela seguradora, renovado pelo mecânico no início deste ano e que tem só a mulher como beneficiária. Duas pessoas foram contratadas para cometeram o crime, por R$ 2,5 mil.Mãe e filho foram detidos temporariamente, por 30 dias, na quinta-feira, 19, e negaram suas participações no crime. O delegado Souza Júnior está concluindo o inquérito. Willian foi levado para a Cadeia de Matão e Maria de Fátima para a Cadeia Feminina de Santa Ernestina.A suspeita da participação da mulher e do filho surgiu no dia do crime, pois ambos demonstraram tranqüilidade diante do crime violento, que era investigado como latrocínio inicialmente. O delegado Benildo da Rocha Souza Júnior, buscou provas do crime que ocorreu na Vila Jandira, na periferia da cidade. Uma denúncia anônima levou a polícia a localizar dois rapazes: o ex-presidiário Tiago Jesus Ribeiro Silva, o Di Menor, e um adolescente de 17 anos. Silva tinha assassinado o próprio pai. Ambos teriam sido levados por Willian Tadei dos Santos até a residência. Eles usaram capuzes e facas de cozinha da própria casa. Para simular o assalto, Maria de Fátima foi amarrada com o cordão do varal de roupas, com as mãos para frente. Nada foi levado e o corpo ainda foi arrastado.Em 11 de outubro, Silva foi morto a tiros, perto de sua casa. A polícia investiga se os dois homicídios estão relacionados. Na casa dele, a polícia encontrou o computador de Santos, usado como parte do pagamento, além de anotações de nomes (Maria de Fátima e Willian) e valor (R$ 2,5 mil) a ser recebido. Também havia um bilhete de Silva para Willian, para que este não depositasse o restante em conta bancária, mas pagasse em dinheiro. Num terreno baldio foram encontradas roupas ensangüentadas, capuzes e luvas usadas no crime. Maria de Fátima recebeu 14 ligações telefônicas de Silva em celular na véspera e outra no dia do crime. Além disso, o adolescente apreendido confessou sua participação no crime e estava com uma televisão e um aparelho de DVD, ambos da vítima.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.