MÁRCIA FOLETTO/AG. O GLOBO–26/12/2020
MÁRCIA FOLETTO/AG. O GLOBO–26/12/2020

Mulher é morta na frente das filhas; Brasil já teve sete feminicídios desde a véspera de Natal

Vítima de 32 anos foi esfaqueada no interior de Minas; juíza carioca também foi assassinada

Leonardo Augusto, Especial para o Estadão

28 de dezembro de 2020 | 21h06

BELO HORIZONTE - Mais um feminicídio na madrugada desse domingo, 27, em Três Corações, na região sul de Minas, leva a pelo menos sete o número de assassinatos de mulheres por maridos, namorados ou ex-companheiros em apenas cinco dias do atual período de festas de fim de ano no Brasil. Dos sete crimes, dois foram cometidos a faca e na frente dos filhos.

Os assassinatos aconteceram, além de Minas Gerais, em Santa Catarina, onde foram registrados dois feminicídios, Paraná, Rio de Janeiro, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

A mulher morta na madrugada de domingo em Minas foi identificada como Camila Miranda Bandeira, de 32 anos. O suspeito do assassinato, cometido a facadas, é seu companheiro, que foi preso à tarde. Em maio, a vítima já havia denunciado o companheiro, mas, segundo a Polícia Civil, ela não quis atendimento médico, não representou contra o companheiro e não pediu medida protetiva.

À época, segundo a polícia, o homem havia quebrado o celular da vítima. A corporação afirmou que no caso de dano patrimonial é necessária representação contra o autor. No que se refere a medidas protetivas, conforme a Polícia Civil, a vítima precisa pedir na delegacia que elas sejam estabelecidas.

O crime aconteceu na casa da família, na frente das quatro filhas do casal, todas menores. Segundo a Polícia Civil, o motivo seria ciúmes. A delegada responsável pelas investigações, Hipólita Brum de Carvalho, da Delegacia de Mulheres de Três Corações, afirma que a discussão começou por causa de um celular.

“O autor, desconfiando que a vítima o estava traindo, tomou seu celular. Alterado, o homem a agrediu e a matou na frente das quatro filhas do casal”, afirmou a delegada. O homem foi localizado pela Polícia Militar em uma rodovia.

Juíza foi assassinada no Rio

Na véspera de Natal, a juíza Viviane Vieira do Amaral, de 45 anos, foi assassinada na Barra da Tijuca, no Rio, pelo ex-marido, Paulo José Arronenzi, de 53 anos, com 16 facadas. O crime foi cometido na frente das três filhas, que têm entre 7 e 9 anos. O assassino foi preso em flagrante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.