Mulher é morta por ladrões na saída da garagem

A dona de casa Aparecida D´Ângelo de Almeida, de 40 anos, foi morta nesta quarta-feira durante tentativa de assalto na porta da casa onde morava, em Vila Ema, zona leste de São Paulo. O assassinato ocorreu por volta das 20 horas, quando Aparecida e seu marido, o mestre de obras Antônio Correia de Almeida, de 46 anos, deixavam a garagem da casa, na Rua José Luís de Oliveira, 131. Aparecida e Almeida já estavam dentro do Monza vermelho, de placa BSH-9117, quando, ao passar pelo portão da residência foram abordados por dois ladrões. Armados, eles anunciaram o assalto e ameaçaram o casal. Assustado, Almeida deu partida no veículo e acelerou, tentando escapar. Antes que pudesse se afastar, um dos criminosos fez dois disparos na direção do veículo. Aparecida foi atingida com um tiro nas costas. Os assaltantes fugiram sem levar nada. Na fuga, abandonaram o veículo em que estavam, um Corsa placa COC-4359, roubado poucas horas antes no bairro vizinho de Vila Formosa. Socorrida pelo marido, Aparecida foi levada para o Pronto-Socorro do Jardim Iva, onde já chegou morta. Ao saber da morte da mulher, Almeida entrou em estado de choque e foi medicado no próprio PS. O crime foi registrado no 42º DP de Parque São Lucas, pelo cunhado da vítima, Francisco Manuel. De acordo com os policiais, Almeida não tinha condições psicológicas de fazer o reconhecimento ou dar pistas sobre as características dos criminosos.Mesmo assim, os investigadores trabalham com a hipótese mais provável de o crime ter sido praticado por traficantes que atuam na região. Segundo o investigador João Marcos, há algumas favelas nas proximidades de onde agem grupos de traficantes. Em busca de mais recursos para comprar drogas, eles estariam se habituando a atacar casas do bairro. O investigador alerta que as situações parecidas com as desse crime têm se repetido no bairro. "Bandidos costumam ficar à espreita e gostam de atacar, principalmente na hora em que as pessoas chegam ou deixam suas garagens." Para evitar problemas, o policial aconselha que os moradores, ao chegar em casa à noite ou de madrugada, fiquem atentos à presença de estranhos e, se possível, deêm mais de uma volta no quarteirão, para observar se há alguém suspeito nas proximidades. "O melhor é deixar uma distância segura, ao se aproximar de portão, que possibilite uma manobra rápida quando o motorista perceber que está sendo observado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.