Mulher extrai os seios após aplicação de silicone inadequado

A delegada Gláucia Simões, da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), de Barretos, na região de Ribeirão Preto, investiga o caso de uma mulher de 31 anos que teve que extrair os seios, na Santa Casa local, após colocar um silicone industrial. A dificuldade é que a mulher, que não teve o nome divulgado e que está internada desde 26 de outubro, recusa-se a informar onde fez a aplicação do silicone, usado para lubrificação de peças. Ela só diz que a operação foi feita em São Paulo, mas não revela se foi numa clínica. A delegada não descarta a possibilidade de a cirurgia ter sido feita em Barretos mesmo. Segundo o diretor clínico da Santa Casa, Caio Monteiro, o quadro da paciente é estável, mas apesar de estar consciente e em um quarto, ela ainda não está totalmente fora do risco de morte devido à extensão da cirurgia. A cirurgia para extrair o silicone e os seios foi feita na noite de sábado (30) por Monteiro e outro médico. "Se não fosse feita a cirurgia, ela morreria por infecção generalizada", afirmou o médico. Os tecidos dos seios ficaram necrosados, por isso a necessidade da cirurgia para extrair os seios. O tipo de silicone que foi aplicado na mulher não é o ideal para o uso em seres humanos e a cirurgia provavelmente nem foi realizada por um cirurgião. A mulher fez a aplicação de silicone dois dias antes de sua internação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.