Mulher libertada após pagamento de resgate

Terminou na madrugada o seqüestro de Terezinha de Oliveira Martini, de 65 anos - viúva do proprietário do Posto e Restaurante Rodoserv, localizado no quilômetro 198 da rodovia Castello Branco - levada, na noite do último dia 11, por quatro homens armados de metralhadoras que invadiram sua casa, dominaram-na juntamente com o marido e dois empregados e ainda roubaram a caminhonete da família. O marido, José Martini, de 68 anos, que ficou preso no banheiro da casa com os empregados, passou mal e morreu vítima de infarto, momentos depois da saída dos seqüestradores. Seu corpo foi sepultado na sexta-feira. A polícia ficou afastada do caso durante todos esses dias, atendendo a pedido da família. Ontem, um funcionário de confiança da família, cujo nome não foi divulgado, pagou por volta das 21 horas o resgate, que a família disse ter sido de R$ 30 mil, nas proximidades de uma favela na entrada de São Paulo. Ele informou aos policiais que chegou até o local orientado pelos seqüestradores, com quem falava através do telefone celular e que, ali, dois homens armados de revólveres vieram receber a maleta onde levada o dinheiro. Pouco depois, Terezinha foi libertada e, por orientação dos seqüestradores, pegou um táxi com o qual foi até o Shopping Eldorado, na avenida Rebouças, de onde telefonou para a família. O mesmo funcionário que pagou o resgate foi até o local, já acompanhado pela polícia, para com ela se encontrar e viajarem até Botucatu, acompanhados por agentes da polícia civil. Depois de passar por exame médico, ela recolheu-se ao apartamento do filho, no centro da cidade. A família Martini não quis falar com a imprensa. O delegado Celso Olindo, da Delegacia de Investigações Gerais de Botucatu, disse que a mulher está fisicamente bem, embora abalada pelos dias que passou no cativeiro e pela notícia da morte do marido. Ele acredita que o cativeiro foi mantido na região metropolitana, pois a vítima apareceu na capital logo depois de feito o pagamento do resgate. Disse também que ouvirá nos próximos dias a vítima e as pessoas que negociaram com os seqüestradores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.