Reprodução Google Street View
Reprodução Google Street View

Mulher morre após procedimento estético no Rio

Fernanda de Assis fez um preenchimento nos glúteos; ela chegou a ser levada para o hospital, mas não resistiu

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2018 | 12h18

RIO - Mais uma mulher morreu no Rio de Janeiro depois de fazer um procedimento estético de preenchimento dos glúteos. A microempresária Fernanda de Assis, de 29 anos, chegou a ser levada para o Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, na zona norte, mas não resistiu.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, Fernanda deu entrada no Albert Schweitzer às 8h50 da última sexta-feira, 12, com edemas nos glúteos. Ainda segundo a direção da unidade, a microempresária reclamava de dificuldade respiratória. Na manhã de sábado,13, a vítima sofreu complicações e precisou ser entubada e, no início da tarde, sofreu uma parada cardiorrespiratória e morreu pouco depois das 14h40.

O caso está sendo investigado pela 31ª Delegacia de Polícia, de Ricardo de Albuquerque, na zona norte. O companheiro da empresária morta, o comerciante Alex Fernando, deve prestar depoimento hoje sobre o caso. Em vídeo que circula nas redes sociais, ele diz que foi procurado pela pessoa que fez o procedimento e que ela teria oferecido dinheiro a ele para ficar calado. No vídeo, ele diz ainda que não queria que a namorada fizesse o procedimento.

Em julho deste ano, o médico Denis César Barros Furtado, de 45 anos, conhecido como Dr. Bumbum e a mãe, a médica Maria de Fátima, de 66, foram presos em um centro empresarial na Barra da Tijuca, aonde tinham ido para conversar com o advogado, Marcus Braga. Eles são acusados pelo homicídio de Lilian Calixto, de 46 anos, que se submeteu a aplicação de silicone nos glúteos, com o polímero contraindicado, o PMMA.  Furtado responde pelo homicídio qualificado e ficará preso por prazo indeterminado. A Mãe está em liberdade e terá de cumprir medidas cautelares.

Tudo o que sabemos sobre:
cirurgia plástica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.