Mulher morre em assalto na saída do metrô no RJ

A analista de sistema Sandra Ramos Decorte, 48 anos, foi assassinada com um tiro à queima-roupa, durante um assalto, quando se dirigia ao trabalho, nesta manhã em Botafogo (zona sul). O crime ocorreu a menos de uma quadra da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev), que teve o expediente suspenso. Revoltados com a violência, os funcionários interromperam o trânsito em frente à empresa por mais de cinco horas e denunciaram a falta de policiamento na área. Namorado da vítima,Walmir Pinheiro da Silva, 46 anos, contou em depoimento que os dois haviam passado na casa lotérica da mãe de Sandra para pegar a féria de ontem e tinham acabado de sair do metrô quando um homem armado os abordou, por volta das 9h. Ele pediu a bolsa de Sandra que, assustada, tentou correr e foi atingida por um disparo no lado esquerdo do abdome. Em seguida, o assaltante apontou a arma na direção de Silva, que largou uma bolsa na qual estava a féria de R$ 12 mil. Ele tomou as duas bolsas e fugiu na garupa de um motoqueiro que o aguardava a menos de 30 metros. O dinheiro seria depositado em um posto do Banco do Brasil que funciona dentro da Dataprev, onde é realizado o processamento dos dados da Previdência Social. A analista de sistema Mônica Cavalcanti, 38 anos, que também trabalha na Dataprev, disse que Sandra agonizou durante cerca de 20 minutos - o Corpo de Bombeiros teria levado quase meia hora para chegar ao local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.