Divulgação/ Vara da Infância e da Juventude
Divulgação/ Vara da Infância e da Juventude

Mulher que disse ter encontrado menino é presa por suspeita de tráfico de crianças no Paraná

Outras duas crianças sem origem confirmada foram encontradas na casa da mulher, natural do Paraguai

Bibiana Borba, O Estado de S.Paulo

25 Outubro 2017 | 07h43

O menino de pouco mais de um ano de idade encontrado há 15 dias em Cascavel, no oeste do Paraná, pode ter sido vítima de um esquema de tráfico internacional de crianças. A suspeita da Polícia Civil é de que a mulher que informou ter encontrado a criança, natural do Paraguai, coordene um esquema de adoção ilegal.

+++ Polícia diz que meninas de 3 anos mortas na zona leste de SP foram violentadas

Após denúncias de vizinhos, uma criança e uma adolescente sem parentesco confirmado com a mulher foram encontradas na casa dela, no bairro Cascavel Velho, nesta terça-feira, 24. Assim como o menino, elas foram encaminhadas ao acolhimento do Conselho Tutelar. A suspeita, conhecida como “Maria Paraguaia”, foi presa por não esclarecer a origem dos três menores de idade.

+++ Polícia prende prefeita "ostentação" por fraude na compra de caixões funerários

Moradores da cidade denunciaram que o bebê teria sido adotado por um casal do bairro Colina Verde, que o devolveu por suspeitar da falta de documentação. A mulher teria trazido as crianças do Paraguai e tentado forjar que “encontrou” o menino para evitar suspeitas.

+++ ‘Me chamavam de barraqueira e aquilo me fazia mal’, diz Márcia Goldschmidt

A investigação busca familiares do garoto, que não tem registro de desaparecimento no Brasil e não foi reconhecido por nenhum familiar desde o momento da divulgação da foto, em 10 de outubro. A delegada Raisa de Vargas Scariot, responsável pelo Núcleo de Proteção a Crianças e Adolescentes Vítimas de Crimes (Nucria) da Polícia Civil, encaminhou o caso à delegacia da Polícia Federal de Cascavel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.