Mulheres confessam ter matado maratonista em Minas Gerais

Elas contaram que vítima, que estava desaparecida desde outubro, foi atraída para motel, dopada com sonífero e recebeu injeção letal

Rene Moreira, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2017 | 18h47

FRANCA - A Polícia Civil de Alfenas (MG) prendeu nesta quarta-feira, 22, seis pessoas acusadas de envolvimento na morte do maratonista João Vicente dos Santos, de 51 anos. Ele desapareceu no final de outubro e somente agora seu corpo foi encontrado. Já seu carro tinha sido localizado queimado na época, após o atleta sair para treinar. 

Duas mulheres, Mariângela Fernandes, 29 anos, e a companheira dela, Pâmela Maria de Lima Gonçalves, 33 anos, confessaram ter matado Joãozinho, como era conhecido, porque ele estaria assediando uma delas. 

Ele foi atraído por Pâmela uma para ir a um motel, mas acabou caindo em uma emboscada e foi dopado com um sonífero. Mariângela então saiu do porta-malas do carro e injetou na vítima uma substância letal. As outras quatro pessoas teriam, posteriormente, ajudado a ocultar o corpo.

O delegado Márcio Bijalon diz considerar o caso elucidado. Ele contou que as duas mulheres responderão por homicídio. "Já os outros quatro serão indiciados por ocultação de cadáver e furto, pois pegaram alguns objetos da vítima".

Mais conteúdo sobre:
FRANCAJoãozinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.