Mulheres de PMs pedem ajuda a deputados no PR

Algumas mulheres de policiais militares do Paraná ocuparam, nesta terça-feira, as galerias da Assembléia Legislativa para pedir a interferência dos deputados estaduais nas reivindicações por melhorias salariais. Elas querem reajuste de cerca de 50% e a extensão de uma gratificação de R$ 100,00, hoje restrita a policiais civis e a militares que fazem trabalhos extras, para todos os policiais.O secretário da Administração, Ricardo Smijtink, já havia afirmado nesta segunda-feira que o Estado não tem condições de conceder o aumento, em razão da Lei de Responsabilidade Fiscal, que limita a 49% da receita líquida do Estado o comprometimento com a folha de pagamento do Executivo. Segundo o secretário, o governo já concedeu aumento médio de 129% aos servidores estaduais desde janeiro de 1995. "O Estado reconhece, no entanto, que há distorções e, quando houver condições, poderemos corrigi-las", afirmou.A presidente da Associação de Mulheres de Policiais Militares do Paraná, Lúcia Sobral, disse nesta terça que os policiais não receberam nenhum reajuste nos últimos sete anos. "Não vamos parar com as manifestações", disse Lúcia. O movimento está estudando novas formas de pressão sobre o governo. Nesta segunda-feira, elas tentaram entrar no Palácio Iguaçu, sede do governo, mas foram impedidas pelos seguranças. Elas pretendiam acampar em frente à porta do palácio, mas por volta das 23 horas deixaram o local.Os deputados Algaci Túlio (PSDB) e Irineu Colombo (PT) apresentaram requerimentos pedindo ao Poder Executivo que edite mensagem estabelecendo plano de salários para os policiais civis e militares. Túlio também quer a extensão da gratificação de R$ 100,00 a todos os militares.O requerimento foi aprovado e deve ser apresentado ao governo. O líder do governo na Assembléia Legislativa, deputado Durval Amaral (PFL), disse, no entanto, que qualquer reajuste é decisão pessoal do governador. "Ele responde inclusive criminalmente, de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.