Mulheres deram o tom e a emoção da festa

Oito seguranças femininas acompanharam o carro presidencial; no veículo, filha de Dilma chamou a atenção; mulher do vice-presidente foi destaque

Ivan Marsiglia, O Estado de S.Paulo

02 de janeiro de 2011 | 00h00

Presenças femininas deram o tom na posse da primeira mulher presidente do Brasil. Ainda no caminho para o juramento constitucional de Dilma Rousseff no Congresso, oito seguranças mulheres acompanharam o Rolls-Royce presidencial, enfrentando impávidas a chuva torrencial que caía em Brasília. No veículo, sempre ao lado da presidente eleita, a filha Paula Rousseff Araújo, chamava a atenção pela impressionante semelhança com a mãe.

Procuradora do trabalho no Rio Grande do Sul, Paula tem 34 anos e é casada com o advogado e administrador de empresas Rafael Covolo. Em setembro, os dois deram a Dilma seu único neto, Gabriel.

Já no Parlatório, onde se daria a cerimônia de transmissão da faixa presidencial, o choro copioso da ex-primeira dama Marisa Letícia precedeu ao do próprio presidente Lula. E, no discurso de posse que dirigiu à Nação tão logo o antecessor se retirou, Dilma Rousseff fez questão de mencionar não só o vice-presidente Michel Temer, como a presença vistosa e discreta de sua mulher, Marcela Tedeschi Temer.

Aos 27 anos, a ex-Miss Campinas 2002 e vice Miss São Paulo no mesmo ano, conheceu Temer num churrasco em Paulínia, no interior paulista, sua terra natal. Pedida em casamento pelo pretendente 42 anos mais velho, a bela estudante de Direito disse sim no dia 26 de julho de 2003. Hoje formada, Marcela tem com o vice-presidente um filho, também chamado Michel.

Mais esfuziante foi a chegada da senadora Marta Suplicy (PT-SP), a bordo de um tailleur vermelho sangue com estampas quadriculadas, colar de pérolas e sapatos rubros de verniz. Tanta vitalidade destoava ao lado da ministra do Supremo Tribunal Federal Ellen Gracie, vestida com uma blusa cor de grafite. Um dia histórico para brasileiras de todos os tipos e estilos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.