Mulheres torturam idoso e são presas

Ex-prefeito de Bilac (SP) era agredido por acompanhantes

Chico Siqueira, ARAÇATUBA, O Estadao de S.Paulo

14 de março de 2008 | 00h00

A Polícia Civil de Bilac, a 537 quilômetros de São Paulo, envia hoje ao Ministério Público as imagens que mostram duas mulheres torturando o aposentado Ovídio Martinelli, de 93 anos, ex-prefeito da cidade e portador do mal de Alzheimer. As acompanhantes do aposentado, Rosângela Pereira Coutinho, de 44 anos, e Patrícia Santos Alves, de 25, foram presas anteontem. Rosângela havia sido contratada há quatro anos e Patrícia, há um ano e meio, para cuidar do aposentado. Mas, em vez disso, submetiam o idoso a sessões de tortura física. As imagens feitas pela família mostram que por dias seguidos Martinelli sofreu quase todos os tipos de agressões: levou puxões de orelha e de cabelo, tapas no rosto, chutes e beliscões, sofreu estrangulamentos pelo pescoço e recebeu jatos de água no rosto. Também apanhou de chinelo na face e foi insultado e até ameaçado com um martelo por uma das acompanhantes. As agressões causaram lesões por várias partes do corpo do aposentado, que teve de ser submetido a exames de corpo de delito. Martinelli mora com a mulher, Antônia, de 90 anos, que há um ano deixou de falar e andar. A família suspeita que a aposentada ficou traumatizada ou teria mudado o comportamento para evitar as sessões de espancamento. O casal foi enviado ontem pelos filhos para um lar de idosos, para não sofrerem o assédio da imprensa. Os filhos do aposentado decidiram instalar as câmeras na sala e no banheiro da casa do pai depois que ele apareceu com hematomas e passou a apresentar alterações de comportamento. Ele demonstrava medo e pedia para sair de casa. "Alguns vizinhos também comentaram que ouviam gritos na casa e um deles chegou a ver meu pai levando um bofetão num supermercado. Isso nos chamou a atenção e decidimos colocar as câmeras", contou Genival Martinelli, um dos seis filhos do idoso. As câmeras foram instaladas no dia 27 de fevereiro e retiradas em 10 de março, quando, revoltados com as imagens, os filhos decidiram denunciar o caso à polícia, que pediu a prisão das duas mulheres.CRUELDADEAs imagens entregues pelos filhos à polícia e que hoje chegam à Justiça com cópias em CD mostram que, do dia 28 de fevereiro ao 7 de março, Martinelli só não foi agredido no dia 6. No dia 1º, por exemplo, Martinelli levou tapas no rosto e recebeu um copo de água no peito. No dia seguinte, teve os cabelos puxados. No dia 3, uma das mulheres desferiu três tapas no rosto do idoso e o empurrou para baixo do chuveiro. Em outra cena, uma das mulheres desfere três chineladas no rosto do idoso e por várias vezes ele é empurrado nos sofás da sala. As cenas chocaram tanto os filhos do idoso que eles não conseguiram assistir às imagens registradas nos dias 8, 9 e 10. A crueldade causou indignação na cidade. Martinelli, que foi prefeito em dois mandatos (1960-1964 e 1973- 1977) é muito querido e popular, por não ter juntado bens após a passagem pelo cargo.O agricultor Vitorino Pereira, de 85 anos, lembra que Martinelli era chamado de "prefeito dos pobres" pelos moradores da cidade. "Certa vez, quando a prefeitura estava em crise financeira, ele usou o dinheiro da safra de café para pagar os salários dos servidores ", conta Genival. Os advogados das mulheres não foram localizados pela reportagem do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.