Multa de R$ 250 mi é 'irrisória', diz deputado que coordena comissão

Sarney Filho comparou o valor estipulado inicialmente aos US$ 20,7 bi pagos pela British Petroleum após desastre no Golfo do México

Leonardo Augusto, Especial para o Estado

16 Novembro 2015 | 12h28

BELO HORIZONTE - O deputado Sarney Filho (PV-MA), coordenador da comissão externa da Câmara dos Deputados sobre o rompimento das barragens em Mariana, afirmou nesta segunda-feira, 16, em Belo Horizonte, que a multa de R$ 250 milhões aplicada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) à mineradora Samarco é "irrisória".

O parlamentar se reunirá nesta segunda com o governador Fernando Pimentel (PT) e, em seguida, viajará a Governador Valadares, cidade cortada pelo Rio Doce, atingido pelos rejeitos das barragens. Na semana passada, com a chegada da lama à região, o fornecimento de água na cidade foi suspenso.

Na quinta-feira, em visita a Valadares, a presidente Dilma anunciou que o Ibama aplicaria a multa e que a penalidade era inicial. "A British Petroleum foi obrigada a pagar indenizações no valor de US$ 20,7 bilhões pelo desastre ambiental no Golfo do México", afirmou o parlamentar, se referindo ao derramamento de petróleo no mar depois da explosão de uma plataforma de exploração do óleo em 2010. Onze pessoas morreram. O valor foi pago ao governo dos Estados Unidos e cinco Estados do país por contaminação de recursos hídricos.

Sarney Filho afirmou que o rompimento das barragens em Mariana precisa ser tratado em duas frentes. "Uma (frente), é a emergencial. Essa tragédia gera necessidades, como manutenção de abastecimento de água para as cidades e o acompanhamento do impacto da poluição da bacia do Rio Doce", afirmou. O outro lado, conforme o parlamentar, é o estrutural. "Com essa tragédia, teremos de rever o funcionamento desse tipo de barragens", disse. Somente em Minas, conforme o deputado, existem 222 represas de rejeitos de minério de ferro. Sarney disse ainda que a comissão vai cobrar a responsabilização dos culpados pela tragédia. 

Em Belo Horizonte, o parlamentar se encontrou com representantes da comissão externa da Assembleia para o rompimento das barragens. Sarney afirmou que, ao menos no momento, não sugerirá a criação de Comissão Parlamentar Interna (CPI) para o caso na Câmara dos Deputados. O deputado defendeu que em Brasília seja tomado o mesmo posicionamento adotado pelo presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Adalclever Lopes (PMDB), que descartou, ao menos por enquanto, uma CPI para o caso, mesmo depois de parlamentares terem recolhido número suficiente de assinaturas para a abertura da investigação. Para Sarney, por enquanto, o ideal é o avanço do funcionamento da comissão externa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.