Mundo da moda rejeita culpa sobre distúrbios de modelos

A morte da modelo Ana Carolina Reston Macan, de 21 anos, levanta a dúvida: de quem é a culpa? Ana Carolina morreu na última terça-feira e foi mais uma vítima da anorexia nervosa, um distúrbio alimentar que atinge principalmente as mulheres, principalmente as que trabalham em atividades relacionadas à imagem, como as modelos. Nesta doença, mesmo estando magra, a pessoa considera que está acima do peso e, por isso, deixa de comer para emagrecer.Psicólogos alertam que os pais devem estar atentos ao comportamento das modelos (veja mais informações nos links ao lado). Já os representantes do mundo da moda dizem que é injusto culpar as agências. "É possível dizer que elas precisem, talvez, dar mais atenção às modelos nesse sentido, mas culpá-las é injusto", disse André Robic, diretor-executivo do Instituto Brasileiro de Moda (IBModa) ao Portal Estadão. Ele também não culpa o ´mercado da moda´. "Não se pode falar em imposição da moda...você pode ver nos desfiles europeus. Eles não querem mais modelos muito magras".Para o estilista Marcelo Sommer, criador da marca Sommer, hoje pertencente à empresa AMC - agora sob a criação de Thaís Losso (ex-Cavalera e ex-Zapping) - existe sim uma exigência da moda. "Não tem jeito, quando a menina é magra a roupa fica muito mais bonita mesmo", disse ele. "O problema é quando a menina é bonita e alta, mas não tem o biotipo para ser modelo".Sommer diz que, como estilista, nunca deu muita importância para a magreza. "Tanto que comecei trabalhando com pessoas comuns, só depois fiz desfiles com modelos". E finaliza: "Agora (com a morte de Ana Carolina) pode ser um momento para todo mundo prestar mais atenção (ao problema da anorexia)".Robic e Sommer não lembravam de exemplos recentes de vítimas fatais de anorexia, quando procurados pelo Portal Estadão. "Você ouve falar de pessoas que estão se tratando, mas um caso trágico assim, não", disse Robic. "Não me lembro de ter ouvido falar de um caso...quando eu soube (da morte de Ana Carolina), até comentei com um amigo meu ´tem pessoas que realmente morrem de anorexia´". Espanha rejeita em desfile modelos super magrasA Pasarela Cibeles, principal festival de moda da Espanha, realizado em setembro, causou polêmica ao barrar a participação de modelos magras demais. Organizadores do evento usaram a fórmula matemática do índice de massa corporal (IMC) - que usa altura e peso para determinar qual a relação ideal - e 30% das mulheres foram reprovadas, de acordo com a Associação de Designers de Moda da Espanha. Marcelo Sommer acredita que a medida foi uma ´jogada de marketing´. "Foi uma maneira do evento chamar atenção, já que não é um dos mais valorizados", disse o estilista.Após a medida adotada pela Pasarela Cibeles, a ministra da Cultura britânica, Tessa Jowell, pediu que a Semana da Moda de Londres seguisse o exemplo e excluísse as modelos excessivamente magras dos desfiles. O pedido foi, no entanto, rejeitado pela organização do evento.Em comunicado, a ministra disse que a promoção pela indústria da moda de um conceito de beleza ligado à magreza extrema "está prejudicando" a saúde das adolescentes e a imagem que têm de si mesmas. "As meninas sonham em se parecer com as modelos das passarelas. Quando essas modelos estão abaixo do peso normal de uma forma doentia, isso pressiona as meninas a passarem fome para ter um aspecto semelhante", acrescentou Tessa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.