Munição apreendida em Manaus seria entregue às Farcs

A Polícia Civil suspeita que o farto material bélico apreendido na noite de quinta-feira, em um depósito no bairro da Aparecida, na centro de Manaus, teria como destino os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Mais de 50 mil cartuchos de munição calibres 50, utilizada em baterias anti-aéreas, 7.62 a 9mm estavam em poder do colombiano Edward Andrei Camacho, de 24 anos, e do brasileiro Francisco Ferraz de Souza, de 41 anos. Eles alegaram estar apenas embalando a munição a pedido de um desconhecido.Segundo as primeiras investigações, o material apreendido teria sido roubado do Exército brasileiro e teria chegado a Manaus proveniente de Boa Vista, Roraima. A informação teria partido de dois oficiais do Exército que compareceram a Delegacia Especializada em Prevenção e Repressão a Entorpecentes logo que foi anunciada a apreensão do material. Oficialmente, o Exército ainda não assumiu a posse do armamento.Segundo a polícia, o plano da dupla presa era chegar até Tabatinga, na divisa com a Colômbia. Disfarçada em um caminhão com 30 tonéis, também apreendidos, a munição seria embarcada em uma das muitas balsas que levam mercadoria para Tabatinga através dos rios amazonenses. Chegando lá, eles pretendiam atravessar a fronteira para a Colômbia.Transportar armas para os guerrilheiros da Farc não é novidade no Amazonas. Segundo o delegado Rosenildo Benedetto, titular da Delegacia de Entorpecentes, existem suspeitas de que outros dois grandes carregamentos conseguiram passar por Manaus nos últimos tempos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.