Município quer mudar projeto de duplicação da Raposo Tavares

O Conselho de Desenvolvimento de Vargem Grande Paulista (Codevar), na Grande São Paulo, quer alterar o projeto de duplicação da Rodovia Raposo Tavares que está sendo executado pela concessionária Viaoeste. O projeto prevê a construção de uma via expressa no trecho urbano do município, sem acessos para o tráfego local. Segundo o conselheiro Miguel Pedroso, além de dividir a cidade em duas partes, os moradores e o comércio perderão contato com a rodovia. "Vargem Grande formou-se em função da estrada e o isolamento comprometerá a economia local", disse Pedroso. Segundo ele, no trecho de 3,6 quilômetros haverá apenas uma passagem inferior para os veículos circularem de uma parte a outra da área urbana. A passagem interligará as marginais, mas não permitirá o acesso à rodovia. "O viajante que deseja parar na cidade não tem como fazê-lo", alega. O Codevar está propondo que a rodovia tenha as chamada agulhas, ou seja, dispositivos de entrada e saída de veículos para as marginais. O conselheiro acredita que a medida será benéfica para a população local e também para os usuários da estrada. "O projeto de duplicação com o aproveitamento do leito original da Raposo não concebia uma auto-estrada, mas uma via de integração turística", lembrou. A rodovia está sendo duplicada do quilômetro 34, em Cotia, ao 92, em Sorocaba. A duplicação teve início em Cotia, mas as obras ainda não atingiram Vargem Grande. "Se não discutirmos a questão agora, será tarde." O secretário de Urbanismo e Desenvolvimento de Vargem Grande, Paulo Afonso Gaspar, disse que para instalar agulhas é preciso que as marginais tenham mão única. A prefeitura vai convocar representantes da comunidade para discutir o projeto na próxima semana. A proposta de mudança será enviada à Viaoeste. O diretor de engenharia e operações da concessionária, Luis Carlos Pondé Serra, disse que a alteração no projeto envolve normas de segurança no trânsito. "Vamos analisar a proposta da população com base nessas normas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.