Muro do Rodoanel que caiu sobre garoto será refeito

Reconstruir o muro e conscientizar os moradores dos perigos de abrir passagens clandestinas são asprovidências que a Dersa vai tomar para evitar a repetição de acidentes como o de domingo, quando morreu o menino Walace da Silva, de 10 anos.Ele foi atingido na cabeça por duas placas deconcreto ao atravessar uma passagem aberta pelos moradores sob o muro que separa o Rodoanel Mário Covas, no km 10, da Favela Osasco, no Parque Imperial, em São Paulo. A empresa também prometeu dar toda a assistência necessária à família de Walace.Em nota oficial, a Dersa informa que o muro, construído por segurança para impedir a invasão das pistas pelos moradores, é feito de placas de concreto sobrepostas, encaixadas empilares. "Os moradores, sem o conhecimento da Dersa, fizeram um buraco sob o muro, retirando as duas últimas placas, abalando sua estrutura", informa o texto.Na nota, a Dersa cita ainda um trecho do boletim de ocorrência registrado no 1º Distrito Policial, de Barueri: "...a vítima saiu de sua residência e, ao passar sob as duas placas, elas vieram a cair. No local havia um buraco sob as placas que dava passagem para crianças."Técnicos da Dersa consideraram o acidente umafatalidade. Eles informaram que na área não é necessária a instalação de uma passarela, pois não há motivos para atravessar a rodovia naquele trecho. Segundo os técnicos, as criançasutilizam o local para brincar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.