Museus se renovam e apostam em tecnologia

Tendência é atrair público com espaço confortável e interatividade

Valéria França, O Estadao de S.Paulo

21 de maio de 2009 | 00h00

Oferecer um bom acervo não é mais garantia para um museu manter suas portas abertas. Ele tem de ser bom também em interatividade, entretenimento e conforto, pelo menos se a ideia for alcançar um resultado parecido com o do Museu da Língua Portuguesa, no centro de São Paulo, que diariamente recebe em média 1.500 visitantes, se transformando em recordista de público no segmento. Essa fórmula, que se repete nos grandes museus internacionais, tem servido de base para novos projetos, caso do Museu do Futebol, inaugurado no fim do ano passado, já em segundo lugar em público na capital.Antigos projetos, agora remodelados, também seguem o mesmo rastro. Ontem, por exemplo, o Instituto Butantã - que nasceu como um centro de pesquisas biomédicas no início do século passado - inaugurou o Centro de Difusão Científica, um anexo com duas salas de exposições, cafeteria, livraria e um cinema 3D. Trata-se de um espaço de mil metros quadrados construído num galpão da década de 1930, antes usado como marcenaria do complexo da instituição, hoje formado por centro de pesquisa, biblioteca, hospital e, entre outros departamentos, quatro museus e um serpentário, a grande atração da casa, com 54 mil exemplares. "O espaço será uma extensão dos museus que já existem, ampliando as atividades, que são cada vez mais interativas", diz Otávio Azevedo Mercadante, diretor do Instituto Butantã. "No Museu de Biologia as crianças participam de aulas sobre micróbios, vírus e vacinas no pequeno laboratório prático." O Centro de Difusão abre com uma exposição fotográfica, o Homem e o Meio Ambiente, que vai até dia 25. Para o cinema, a casa produziu uma série de desenhos baseada na história de três crianças e dois pesquisadores, com 23 capítulos. Na primeira aventura, com apenas 20 minutos de duração, a garotada vai para a Ilha de Alcatrazes, no litoral de São Paulo. VOLTA AO PASSADOCom uma locomotiva a vapor que leva os visitantes a um passeio e um sistema eletrônico capaz de pesquisar a história das famílias que chegaram ao Brasil no início do século passado, o Memorial do Imigrante, na Mooca, zona leste, abre amanhã a exposição A Viagem das Palavras: Cartas, Diários e Testemunhos Escritos dos Emigrantes Italianos. São mais de 20 mil documentos, entre diários e cartas, que restituem os efeitos da guerra e da imigração, muitos deles digitalizados.Outra novidade nasce no Museu da Imagem e do Som, nos Jardins, zona sul. Depois de passar por uma grande modernização, que marcou sua reabertura em 2008, a casa começa a produzir um acervo permanente de arte e tecnologia, que vai usar muito recurso virtual. "Além de construção da informação, o museu virou uma fonte de lazer", diz Lisbeth Rebollo Gonçalves, diretora do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da Universidade de São Paulo, que atualmente está dividido em dois endereços da cidade. Um deles fica no câmpus da USP e o outro, no terceiro andar do prédio da Bienal, no Ibirapuera. Até o início do ano que vem, todo o acervo vai para o prédio que hoje abriga o Departamento Estadual de Trânsito (Detran). "O novo MAC tem tudo o que oferece um museu internacional, como biblioteca, restaurante, café, lojas e um andar destinado às novas mídias."HISTÓRIATambém começa a tomar forma o projeto da Casa das Retortas - Museu da História de São Paulo, que pretende reunir uma narrativa cronológica das sucessivas transformações da cidade, da sua colonização à atualidade. "A ideia é usar cenários, mapas, acervos, peças autênticas e quadros", diz o curador Roberto Pompeu de Toledo, que vem recebendo assessoria do Museu da Língua Portuguesa. "A palavra museu mudou de significado." O Museu da História de São Paulo deve ficar pronto no fim de 2010. ENDEREÇOSInstituto ButantãAv. Vital Brasil, 1.500; (11) 3726-7222; www.butantan.gov.br; terça a domingo, das 9h às 16h30. R$ 6 e R$ 2,50 Memorial do ImigranteRua Visconde de Parnaíba, 1.316; (11) 2692-7804 e 2692-2497;www.memorialdoimigrante.org.br; terça a domingo e feriado, das 11h às 18h; quinta até 20h. R$ 4MAC Rua da Reitoria, 160; (11) 3091-3039; www.mac.usp.br/mac; terça a sexta, das 10h às 18h; sábado, domingo e feriado, das 10h às 16h. Gratuito. MIS Av. Europa, 158; (11) 2117-4777; www.mis-sp.org.br; terça a sábado, das 12h às 22h; domingo e feriado, das 11h às 21h. R$ 4Museu do Futebol Praça Charles Miller, s/n.º; (11) 3663-3848; www.museudofutebol.org.br; terça a domingo, das 10h às 17h. R$ 6,00Museu da Língua PortuguesaPraça da Luz, s/nº; (11) 3326-0775 ; www.museudalinguaportuguesa.org.br; terça a domingo, das 10h às 18h. R$ 4

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.