Mutirão acaba e duas mil cirurgias de catarata são suspensas

Pelo menos 2 mil portadores da catarata, problema nos olhos que causa a perda da transparência do cristalino, afetando a visão, já deixaram de ser submetidos à cirurgia no Estado de São Paulo desde que o Ministério da Saúde suspendeu o repasse de recursos para o programa federal de controle da doença, conhecido como "Mutirão da Catarata". O programa, criado por portaria pelo então ministro José Serra, em 1999, promoveu 360 mil cirurgias no Brasil até 2005, mas terminou em 28 de fevereiro deste ano e não foi renovado.A catarata pode levar à cegueira. Quando diagnosticada, a única forma de corrigir o problema é por meio cirúrgico. De modo geral, o médico remove o cristalino e coloca uma lente intra-ocular no lugar. A recuperação dura em média 90 dias.PrefeiturasO Ministério alegou necessidade de revisão do procedimento. O governo decidiu que os recursos, que eram enviados diretamente para os hospitais e clínicas conveniados, serão agora repassados às prefeituras, que se tornaram gestoras do programa.As secretarias municipais têm de organizar as listas dos pacientes, encaminhar a relação ao Ministério e aguardar a liberação da verba. Enquanto isso não é feito, a fila da operação de catarata vai aumentando. A espera pela cirurgia, que era de cerca de um mês subiu para três meses.Em Sorocaba, o Hospital Oftalmológico, referência nesse tratamento, suspendeu 700 cirurgias. O promotor da 4ª Vara Cível de Sorocaba, Renato Monteiro, pediu explicações ao hospital. De acordo com o administrador Edil Alves de Souza, cerca de 2 mil exames para diagnóstico da doença, que estavam agendados, foram suspensos. "Estamos de mãos atadas, pois temos a estrutura e os médicos, mas não podemos operar."NotaO Ministério informou, em nota oficial, que já orientou as prefeituras sobre o procedimento para receber os repasses. Já a Secretaria de Saúde de Sorocaba informou que o estudo técnico para restabelecer as cirurgias de cataratas está sendo elaborado por órgãos da Secretaria Estadual de Saúde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.