Nº de radares vai quase dobrar

Capital ganhará 60 aparelhos fixos no centro expandido

Naiana Oscar, O Estadao de S.Paulo

28 Abril 2009 | 00h00

A fiscalização para quem desrespeita o rodízio municipal de veículos ficará mais pesada nos próximos cinco meses. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vai quase dobrar o número de radares com leitor automático de placas na região, passando dos 70 atuais para 130 até setembro. De acordo com o Diário Oficial de sábado, as duas empresas vencedoras da licitação têm dez dias para assinar o contrato e iniciar a instalação dos equipamentos. Os novos radares fixos foram prometidos pela Prefeitura há um ano, com o anúncio da restrição de circulação de caminhões na capital. Além de registrar infração de velocidade e descumprimento de rodízio, eles serão os primeiros a coibir carga e descarga de caminhões no centro expandido durante o dia. Por isso, a prioridade da CET é instalar os radares nas vias que delimitam o perímetro de restrição e nas ruas onde há mais lentidão. A Zona Máxima de Restrição de Circulação tem 100 km² e fica dentro da área de do rodízio, com 150 km². A Fiscal Tecnologia e Automação é responsável pelo primeiro lote, de 30 aparelhos. Pelo serviço, a Prefeitura vai pagar R$ 207,6 mil por mês. O segundo lote ficou com a Splice, por R$ 189,5 mil mensais. Os primeiros sete radares de cada lote devem ser instalados até dois meses após a assinatura do contrato. Setembro é o prazo para todos os aparelhos operarem. Hoje a cidade tem 409 equipamentos de fiscalização eletrônica. São 119 fixos, 100 lombadas eletrônicas, 117 Registradores Fotográficos de Infrações ao Semáforo (Refis), 60 Registradores de Invasão de Faixa Exclusiva (Reifex), além de 13 radares móveis. A zona leste é a menos fiscalizada. Não há aparelhos fixos nem móveis porque as licitações para contratação de equipamentos continuam contestadas na Justiça. O vaivém dos contratos municipais de radares no ano passado fez o número de infrações registradas eletronicamente cair de 51% para 23,3% sobre o total de autuações. Até junho de 2008, a maioria das multas era deflagrada por radares. Em janeiro, das 312.948 multas computadas, 58,9% foram aplicadas por agentes da CET e policiais militares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.