N. Sra da Boa Viagem, em Salvador, recebe doações

Nenhuma igreja baiana recebeutantos ex-votos (doação de fiéis por graças alcançadas) denavegantes como a de Nossa Senhora da Boa Viagem, construída noinício do século 18. Centro da festa do Bom Jesus dos Navegantes realizada no dia 1.º de janeiro, em Salvador, a igreja é umexemplo de como a devoção católica foi importante para levantaros templos religiosos brasileiros dos primeiros séculos dacolonização.Apesar das reformas que deformaram em parte aarquitetura da igreja, como a ampliação da nave central com aderrubada das paredes dos corredores laterais, Boa Viagempreserva três painéis de azulejos portugueses do século 18 que são raros por retratarem cenas de milagres atribuídos aNossa Senhora. As peças são do ciclo de Bartolomeu Antunes,principal mestre da azulejaria portuguesa do século 18.Dos três painéis, todos situados nas paredes dacapela-mor, dois despertam especial interesse por trazerem alémda cena, a descrição do milagre e a quem a "intervençãodivina" beneficiou. No primeiro, datado de 1725, o devotoBernardo da Costa agradece a vida salva de um ataque decorsários. Quatro naus sarracenas preparavam-se para abordar acaravela de Costa que seguia do Brasil para Portugal. Sem saída,ele pediu ajuda a Nossa Senhora da Boa Viagem, protetora dosnavegantes, e o milagre ocorreu: "sucedeu levantar-se um grandetemporal que logo (as naus inimigas) desapareceram", indica ahomenagem.O segundo painel, de 1732, conta a história de AntonioRoriz que caiu no mar durante a travessia do Atlântico e quandose debatia nas águas tocou numa tábua, surgida do nada, por meioda qual conseguiu salvar-se, alcançando a embarcação ondeestava. Os dois devotos homenagearam a santa e Bom Jesus dosNavegantes, o outro orago da igreja, decorando-a com ospainéis.Cenas - Vários outros fiéis repetiram o ato e a Igrejada Boa Viagem durante séculos tinha todas as paredes internascobertas de cenas de ex-votos. No entanto, conforme ohistoriador Edgar de Cerqueira Falcão, parte desse acervo foiirremediavelmente perdido na reforma realizada entre 1908 e1912. Ele lamenta a destruição dessas "jóias da cerâmica", noseu trabalho Encantos Tradicionais da Bahia onde assinala ocaráter de "arte-documental" das peças. As paredes laterais danave-central foram derrubadas para a ampliação do salãoprincipal da igreja. Considerada "desastrosa" pelospesquisadores, a reforma implantou colunas em substituição daalvenaria (que lembram vagamente o estilo neoclássico) parasustentar as tribunas laterais. Construída a partir de 1712 e tombada pelo Instituto doPatrimônio Histórico Artístico Nacional (Iphan) como um dosmonumentos mais importantes de Salvador, o templo ainda conservarebuscados retábulos dourados nos altares, além dos doistocheiros da capela-mor em estilo barroco, semelhantes às peçasda Igreja de São Francisco de Salvador.Foram os frades franciscanos que também levantaram edecoraram a Boa Viagem. A igreja, que só é lembrada no primeirodia do ano por causa da tradicional festa necessita deintervenção urgente do Iphan para a realização de uma reforma,principalmente por causa dos altares central e laterais,infestados de cupim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.