Na Argentina, FHC se diz "cauteloso, mas otimista" após pesquisa

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse nesta quarta-feira, em passagem por Buenos Aires, estar "cauteloso, mas otimista" após a divulgação da pesquisa Datafolha que mostrou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição, com 20 pontos de vantagem sobre o tucano Geraldo Alckmin na disputa à Presidência da República. FHC ponderou que pesquisas de opinião pública são muito voláteis e que, não necessariamente, o quadro atual se mantém da mesma forma nos dias de campanha que restam até a eleição do dia 29. "Olha o que aconteceu com outras pesquisas", comentou em referência aos levantamento de primeiro turno que não captaram o crescimento de Alckmin.O ex-presidente avaliou que Alckmin precisa continuar conversando com os eleitores para diminuir a vantagem de Lula, que é conhecido há mais tempo pelo eleitorado. Ele disse também que respalda "profundamente" seu candidato.Corrida petistaSobre a campanha, FHC ironizou Lula. Para ele, o que importa não é o candidato dizer que construiu mais ou menos pontes, mas se ele acaba esquecendo "uma série de coisas que não fez".Outra ironia foi disparada por FHC ao comentar as declarações de Lula ontem em comício, quando se comparou com os ex-presidentes Getúlio Vargas, JK e João Goulart. "Não se comparou ainda ao Collor e ao Jânio? É só uma questão de tempo", disse entre sorrisos.Para o ex-presidente, num eventual governo de Geraldo Alckmin, o caminho de integração com a Argentina começado em seu governo seria expandido. Ele, evitou, no entanto. Criticar a política externa do governo Lula com a Argentina. "É preciso acertar os pontos de convergência. As brigas comerciais não são tão importantes", defendeu.FHC está na Argentina para um série de encontros e conferência a convite da consultoria Deloitte. Na próxima quinta-feira, dia 19, o ex-presidente tem agendados um café da manhã com a associação de correspondentes estrangeiros e um almoço com convidados da consultoria. No final do dia, embarcar para Lima, no Peru.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.