''''Na cidade do trabalho, só se conhece o próprio bairro''''

Para José de Souza Martins, professor de Sociologia da Faculdade de Filosofia da USP, muitos moradores querem fugir de São Paulo porque a relação deles com a cidade é "muito pobre". "Se você for na rodoviária numa véspera de feriado, vai ver um enorme número de pessoas prestes a viajar para suas cidades de origem ou para a cidade dos seus parentes", disse. "Uma parcela grande da população da cidade vive nesta situação de acoplamento, está aqui pelo trabalho. Esse morador não excursiona por São Paulo, só conhece o seu próprio bairro. É preciso ter políticas públicas apropriadas para criar essa relação e melhorar a percepção dos moradores."Segundo levantamento feito pela Fundação Seade para o período de 2000 a 2008, a estimativa de crescimento da população paulistana é de cerca de 0,56% ao ano, ritmo bem reduzido em relação às taxas anuais registradas nas décadas de 80 e 90, que foram de 1,15% e 0,91%, respectivamente. Um dos fatores responsáveis por isso é a inversão do fluxo migratório, que nas décadas de 80 e 90 se tornou negativo, com maior número de saídas do que de entrada de migrantes.O prefeito Gilberto Kassab (DEM) disse que a pesquisa do Ibope é um "ótimo instrumento para melhorar a cidade". Ainda assim, Kassab jogou a culpa das notas baixas na herança de gestões passadas. "Os dados servem para corrigir distorções que foram sendo criadas na cidade ao longo dos anos, ao longo das últimas décadas", afirmou. "Podemos direcionar os esforços e criar uma São Paulo mais justa."

Rodrigo Brancatelli e Ana Luisa Westphalen, O Estadao de S.Paulo

25 de janeiro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.