Thiago Queiroz/Estadão
Thiago Queiroz/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Na ONU, entidade denuncia Brasil por 'risco de genocídio' de povos indígenas

Ameaças e mortes nos últimos anos foram os alvos da denúncia; grupo alerta que, até agora, os povos indígenas não obtiveram justiça por graves violações passadas e recorrentes

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2018 | 08h38

GENEBRA - O Brasil é denunciado na ONU por "risco de genocídio" no caso dos povos indígenas. Nesta sexta-feira, 14, a acusação foi apresentada pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI) durante reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra

O governo brasileiro ainda considera se irá dar uma resposta à denúncia. Pelas práticas do Conselho de Direitos Humanos, as réplicas são reservadas para o final do dia. 

De acordo com a entidade, houve uma "profunda extinção" dos povos indígenas no último século, passando de 4% da população para apenas 0,4%. 

Mas são as ameaças e mortes nos últimos anos que foram os alvos da denúncia. "A taxa de homicídio na população Guarani-Kaiowá em Dourados é de 88 para cada cem mil pessoas, quase o triplo da taxa média do Brasil", disse Paulo Lugon Arantes, que leu a denúncia em nome da entidade indigenista. 

De acordo com o grupo, o caso dos Guarani-Kaiowá  cumprem pelo menos sete fatores e 16 indicadores estabelecidos pela ONU para designar um genocídio. 

"O discurso político de ódio no país, um dos 14 fatores de risco de genocídio, tem legitimado e alimentado uma série de ataques violentos contra povos indígenas", declarou.

"Apelamos para que o Brasil leve a sério risco de atrocidade contra os povos indígenas", apelou Arantes. 

No discurso, o CIMI ainda alerta que, até agora, os povos indígenas "não obtiveram justiça por graves violações, passadas e recorrentes, uma vez que são também excluídos no processo de memória no Brasil". 

"A Comissão Nacional da Verdade no Brasil identificou políticas específicas e deliberadas, por parte do regime militar, de extermínio dos povos indígenas e práticas horríveis, como o desfile público de indígenas submetidos à tortura", declarou Arantes. 

Segundo ele, a Comissão "recomendou a demarcação de seus territórios, reconhecimento estatal das violações estatais como formas de reparação". O grupo também lembrou que a Comissão Nacional da Verdade sugeriu que um mecanismo similar também fosse estabelecido para os povos indígenas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.