Na SAP, Gomes fala em continuidade

Novo secretário da Administração Penitenciária foi até túnel do PCC

Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2009 | 00h00

Lourival Gomes assumiu a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) e foi vistoriar o túnel de 120 metros que o Primeiro Comando da Capital (PCC) construiu na Penitenciária 1 de Avaré. A descoberta do túnel, após seis meses de investigações, significou a desarticulação do plano de fuga em massa criado pela facção, que investiu R$ 600 mil na obra. Em entrevista ao Estado, o novo secretário afirmou que todo "o trabalho feito até agora terá continuidade"."Era um trabalho feito a quatro mãos", afirmou, se referindo ao fato de ele ter sido durante os três últimos anos o secretário adjunto de Antônio Ferreira Pinto. Com a ida de Ferreira para a Segurança Pública, Gomes assumiu. Ele afirmou que entre suas prioridades estará o plano para a construção de 49 presídios no Estado, cujo objetivo será acabar com o déficit de vagas nos presídios paulistas. O plano prevê a criação de 39,5 mil vagas - o déficit é de cerca de 40 mil."A única forma de acabar com a superpopulação é construindo presídios", afirmou. O novo secretário disse que a possibilidade de realização de parcerias público-privadas para a construção de estabelecimentos prisionais é uma possibilidade que merece ainda um estudo maior e profundo.Gomes contou que vai manter o atual grupo que trabalha no combate ao crime organizado dentro dos presídios. O grupo mantém relações com o Ministério Público Estadual e com os serviços de inteligência das polícias. "O PCC foi muito glamourizado nos últimos anos, mas estamos combatendo essa facção com firmeza", afirmou. Ele ainda confirmou que deve manter a mesma equipe que já estava trabalhando na pasta."O nosso projeto é dar continuidade à gestão do secretário Antônio Ferreira Pinto, até porque foi um projeto feito a quatro mãos. Trata-se de um trabalho que vem dando certo e não será modificado", afirmou o novo secretário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.