Na serra do Rio, ministra dos Direitos Humanos diz que 'foco são crianças'

Maria do Rosário sobrevoou área atingida pelos temporais no Estado; chuva foi a mais intensa da história de Nova Friburgo, segundo o Inmet

Marcelo Auler, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2011 | 11h54

RIO - A ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos, desembarcou no fim da manhã desta quarta-feira, 19, em Teresópolis, junto com o secretário de Assistência Social e Direitos Humanos do Estado do Rio, Rodrigo Neves, depois de fazer um sobrevoo sobre a Região Serrana, castigada pelas chuvas e deslizamentos de terra.

 

Veja também:

linkDilma pede ao Banco Mundial antecipação de recursos

linkCão que ficou ao lado de cova pode ser outro

linkPríncipe ajuda a carregar doações no Rio

blog Gabeira: Recuperação econômica pode levar um ano  

lista Saiba como ajudar as vítimas das chuvas

mais imagens GALERIA - Imagens de destruição e desespero

 

Ela está reunida com o prefeito, Jorge Mário Sedlacek, e pretende, depois disso, visitar alguns centros onde estão os desabrigados das chuvas. "Nosso foco principal são as crianças. Mas estamos cientes de que as medidas necessárias estão sendo plenamente tomadas pelo governo do Estado e as prefeituras", disse Maria do Rosário, prometendo comentar a situação melhor depois das visitas.

 

O número de mortos na região chegou a 710 nesta madrugada, após mais corpos serem encontrados em Nova Friburgo, onde já são 335 vítimas. Os desaparecidos nas sete cidades afetadas pelas fortes chuvas seriam cerca de 200, segundo levantamento parcial das autoridades.

 

Clima. As chuvas que atingiram a serra do Rio estão entre as mais intensas já registradas na localidade e as de maior índice pluviométrico da história de Nova Friburgo, a cidade mais afetada. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) no Estado, em Petrópolis e Teresópolis, porém, o índice ficou abaixo dos recordes anteriores.

 

Segundo a chefe da seção de Previsão do Tempo, Marlene Leal, por causa da intensidade do temporal e a geografia da área, a "catástrofe era inevitável". "Na proporção e na intensidade com que as chuvas caíram não havia como evitar que uma tragédia acontecesse. Eu confesso que a proporção atingida - em uma área tão extensa, região montanhosa, de vale, aliada àquelas cabeças d'água que se formaram descendo em velocidade montanha abaixo em uma área imensa - me surpreendeu."

 

 

Somente em Nova Friburgo a concentração pluviométrica chegou a 182,8 milímetros em um período de apenas 24 horas. De acordo com Marlene, o recorde anterior em na cidade havia sido de 113 milímetros em um período de 24 horas, registrado em 24 de janeiro de 1964.

 

(Com Agência Brasil)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.